Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pluna entra em falência; governo vai leiloar aviões

Autoridades uruguaias querem vender aviões da companhia a empresa que assuma as rotas e absorva os funcionários

Por Da Redação - 9 jul 2012, 14h47

A companhia aérea uruguaia Pluna entrará, oficialmente, em processo de falência nesta segunda-feira, informou o governo do país. As autoridades uruguaias expuseram um plano para que os serviços aéreos suspensos pela empresa desde a última quinta-feira sejam retomados e para que os funcionários da companhia sejam realocados. A ideia é vender os aviões da Pluna a uma empresa que assuma as rotas e absorva os trabalhadores.

Leia mais:

Pluna pode ter autorização para operar no Brasil cassada

TAM atende clientes em code-share com Pluna

Continua após a publicidade

Em entrevista coletiva, os ministros do Transporte, Enrique Pintado, e da Economia, Fernando Lorenzo, comunicaram formalmente o fim da companhia, que, na quinta-feira passada, suspendeu suas atividades devido a problemas econômicos. “Hoje será convocada uma reunião com os credores da Pluna S.A. As razões são claras e de domínio público”, afirmou Lorenzo, ressaltando a dificuldade da companhia em captar dinheiro para seguir operando.

Como o estado uruguaio é fiador da compra de sete aviões Bombardier CRJ pela Pluna, os ministros afirmaram que as aeronaves serão colocadas em leilão. O lote completo terá valor mínimo de 140 milhões de dólares. Esse dinheiro será usado para quitar as dívidas da empresa. Segundo o plano dos ministros, a compradora das aeronaves terá, automaticamente, o direito de operar as rotas antes atendidas pela companhia uruguaia. Em contrapartida, terá de incorporar os trabalhadores da Pluna.

Para que a execução do plano seja possível, os ministros informaram que enviarão um projeto de lei ao parlamento. O texto autoriza o governo a liberar as rotas à compradora das aeronaves desde que a contrapartida seja cumprida. Com a suspensão das atividades da Pluna, cerca de 700 funcionários ficaram desempregados.

(com EFE)

Publicidade