Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PIB japonês confirma: China é 2ª maior economia do mundo

Economia japonesa cresceu 3,9% em 2010. Já o PIB de Pequim saltou 10,3%

“Como nação vizinha, saudamos a rápida progressão da economia chinesa. Isto pode ser o sustento de um desenvolvimento da economia regional”

Kaoru Yosano, ministro de Política Econômica japonês

O governo japonês anunciou oficialmente nesta segunda-feira que perdeu para a China o posto de segunda maior economia mundial. O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão cresceu 3,9% no ano passado, segundo dados divulgados nesta manhã. Já a economia chinesa acelerou 10,3% no mesmo período.

Entre janeiro e setembro do ano passado, o Japão conseguiu manter o título de segunda potência mundial, mas por pouca margem. Nesses nove meses, o PIB japonês foi de 3,967 trilhões de dólares, contra 3,947 trilhões de dólares dos chineses.

Acervo Digital VEJA: China – o voo do dragão, do caos à potência econômica

No último trimestre de 2010, porém, o governo japonês informou que houve uma desaceleração no crescimento em consequência da queda das exportações e do consumo. A economia do país encolheu 0,3% no período. Resultado: um PIB nominal de 5,74 trilhões de dólares em 12 meses, ante a marca de 6 trilhões de dólares obtida pela China.

O fim do reinado do Japão como segunda economia mundial acontece justamente num momento em que o país tenta pôr freio à grande dívida pública, à persistente deflação e ao risco que representa para o motor exportador um iene forte. O Banco do Japão (BOJ, banco central japonês) prevê que o Japão cresça 2,1% durante este ano fiscal, que termina em março de 2011, e o faça em 1,8% no seguinte exercício.

Futuro – “Como nação vizinha, saudamos a rápida progressão da economia chinesa”, afirmou o ministro de Política Econômica japonês, Kaoru Yosano. “Isto pode ser o sustento de um desenvolvimento da economia regional, ou seja, a Ásia oriental e do sudeste”, completou.

Apesar dos maus dados registrados entre outubro e dezembro de 2010, espera-se que entre janeiro e março deste ano a economia japonesa volte a se recuperar, sobretudo por causa do aumento das exportações.

China X Japão – Trinta anos depois de iniciada a abertura econômica, a China superou sucessivamente França, Grã-Bretanha e Alemanha e virou uma das maiores potências econômicas do planeta, conquistando os títulos de maior exportador, principal mercado automobilístico e líder na produção de aço. Mas, enquanto no Japão e nos Estados Unidos o crescimento econômico se traduz em qualidade de vida para a população, na China a situação é muito diferente.

A renda per capita dos japoneses é de 32 443 dólares por ano. E, nos EUA, de 46 436 dólares. Já no gigante asiático, a renda per capta é de 6 675 dólares por ano. A desigualdade social no país é flagrante – e ficou ainda mais acentuada com o crescimento vertiginoso. Na China, há dezenas de bilionários que se beneficiaram da abertura econômica das últimas três décadas, mas há também 1,3 bilhão de pessoas cuja renda está entre as mais baixas do mundo. Dos 1,3 bilhão de habitantes da China, 150 milhões vivem abaixo da linha de pobreza da ONU.

Enquanto os investimentos em infraestrutura fizeram das grandes cidades chinesas um exemplo de modernidade, nas áreas mais pobres do país a população vive em condições precárias – inaceitáveis no Japão e nos Estados Unidos. É claro que o crescimento chinês tirou milhões de pessoas da pobreza no país. Mas ainda há muito trabalho a ser feito. Nem de longe, a distribuição de renda na China se assemelha à do Japão.