Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PIB do Brasil pode ter encolhido em 2014, diz Levy

Em Nova York, ministro da Fazenda diz a investidores que queda no investimendo pode ter afetado crescimento

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reconheceu que a economia brasileira pode ter encolhido em 2014, afetada pela queda no investimento. A afirmação foi feita nesta quarta-feira a cerca de 185 investidores, em Nova York. Os números do Produto Interno Bruto (PIB) de 2014 serão divulgados pelo IBGE em 27 de março.

Levy também afirmou que o país está deixando para trás medidas anticíclicas (de estímulo ao crescimento, como desoneração de impostos) e que a política monetária vai se tornar mais restritiva “mais cedo ou mais tarde”.

O ministro aproveitou para reforçar o compromisso do governo com o rigor fiscal e com a meta de superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública) equivalente a 1,20% do PIB neste ano. “Há muito ainda a ser feito no Brasil. Estamos longe de onde gostaríamos”, avaliou.

Leia mais:

Situação da Petrobras vai melhorar após balanço, diz Levy

Fazenda: Levy não falou em ‘reforma’ de programas sociais

A investidores, Levy diz que Brasil vai ter crescimento próximo de zero em 2015

O ministro disse também estar confiante na economia do país, apesar de compreender os temores dos investidores. “Não estou fazendo de conta que vocês não deveriam estar preocupados com a situação fiscal”, disse. “Estou confiante que nós iremos colocar a casa em ordem e voltaremos ao caminho do crescimento”, ponderou.

O déficit fiscal do Brasil é um dos maiores do mundo, o que aumenta o risco de que o país possa perder sua classificação de grau de investimento por agências de rating. No ano passado, o setor público consolidado, que engloba os governos federal, estaduais, municipais e empresas estatais, terminou o ano com um rombo histórico de mais de 32 bilhões de reais.

Desde a chegada de Levy à Fazenda, o governo já aumentou impostos e limitou os gastos públicos para cobrir o déficit orçamentário total, que inclui o custo do serviço da dívida e dobrou no ano passado para 6,7% do PIB, um dos maiores entre as grandes economias do mundo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Levy terá desafios relevantes para melhorar as contas públicas do Brasil. Um deles será convencer o Congresso Nacional a aprovar uma controversa série de mudanças nas regras de acesso a benefícios trabalhistas, como seguro-desemprego e abono salarial, com as quais o governo espera economizar cerca de 18 bilhões de reais por ano.

(correção às 21h11: o ministro afirmou que o crescimento econômico pode ser negativo em 2014, não em 2015, como originalmente noticiado)

(Com agência Reuters e Estadão Conteúdo)