Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

PIB da eurozona cairá 0,4% em 2012

Estimativa da Comissão Europeia aponta, porém, para recuperação da economia da região a partir do ano que vem

Por Da Redação 7 nov 2012, 11h25

O PIB dos países da zona do euro vai se contrair 0,4% neste ano, conforme previu a Comissão Europeia (CE) em relatório divulgado nesta quarta-feira. Para 2013, espera-se que a região cresça apenas 0,1%.

Olli Rehn, vice-presidente da CE e titular de Assuntos Econômicos e Monetários, disse que a Europa está atravessando um processo difícil de reequilíbrio macroeconômico, que durará um tempo. “Nossos prognósticos apontam para uma melhoria gradual do crescimento no início do próximo ano”, afirmou.

O desemprego na união monetária, segundo o documento, será de quase 12% em 2013, puxado principalmente pela Espanha, onde alcançará 26,6%.

Leia mais:

Eurozona: vendas no varejo caem puxadas por combustíveis

Continua após a publicidade

Grécia vota pacote de austeridade nesta quarta-feira

Destaques – Para a Comissão Europeia, a Espanha afundará na recessão no próximo ano, com uma possível queda de 1,4% de seu Produto Interno Bruto (PIB) – quase o triplo do esperado pelo governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy, que espera uma contração de 0,5%. O país não conseguirá, assim, cumprir suas metas do déficit em 2013 e, pior ainda, em 2014 alcançará um buraco fiscal de 6,4% – mais que o dobro dos objetivos acertados com Bruxelas.

A economia da França, por sua vez, crescerá apenas 0,4% em 2013, segundo a CE. A expectativa é menos otimista que a do próprio governo francês, que apostava em crescimento de 0,8% do PIB. A Comissão prevê, além disso, que o déficit público do país continue acima da meta oficial de 3% do PIB tanto em 2013 como no ano seguinte, alcançando 3,5% em ambos os casos.

A CE foi mais otimista em relação à Grécia, que deverá recuperar seu crescimento em 2014 depois de seis anos de recessão. O PIB grego deve progredir 0,6% dentro de dois anos, principalmente graças ao retorno da confiança e dos investidores.

(com Agence France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade