Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PIB da Alemanha tem contração de 0,1% no 2° tri; zona do euro desacelera

Indústrias do país sofreram com o peso da desaceleração global, conflitos tarifários entre China e Estados Unidos e incerteza sobre o Brexit

A queda nas exportações levou a uma contração de 0,1% da economia da Alemanha no segundo trimestre ante os três meses ligeiramente anteriores, com as indústrias do país sofrendo com o peso da desaceleração global amplificada pelos conflitos tarifários entre China e Estados Unidos e pela incerteza sobre o Brexit.

O resultado veio em linha com o esperado. No momento, analistas levantam a perspectiva de outra contração do Produto Interno Bruto (PIB) alemão no terceiro trimestre e o setor industrial sugere que o governo deveria descartar seu orçamento equilibrado e impulsionar o crescimento com estímulos fiscais. No primeiro trimestre do ano, houve crescimento de 0.4%.

Para 2019 como um todo, o governo espera crescimento de apenas 0,5%, o que representaria forte desaceleração frente aos 1,4% registrados no ano passado. “A questão é que a economia alemã está à beira da recessão”, disse Andrew Kenningham, da Capital Economics. Após dois trimestres seguidos de contração, economistas já consideram a economia de um país em recessão técnica.

Com o resultado alemão, a expansão do PIB da zona do euro desacelerou no segundo trimestre de 2019. Segundo o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira, conforme, o crescimento econômico nos 19 países da zona do euro foi de 0,2% de abril em comparação aos três meses anteriores, representando uma desaceleração da taxa de 0,4%. Os números preliminares do PIB, incluindo a previsão de crescimento de 1,1% na base anual, ficaram em linha com as estimativas dos economistas.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Tá pior do que o Brasil.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    A vantagem é que o PT nunca passou por lá para derrubar o PIB em 10%.

    Curtir