Clique e assine a partir de 9,90/mês

PIB da Alemanha cresce 1,5% em 2014

Melhor resultado em três anos foi impulsionado por consumo e comércio. Número, no entanto, mascara desempenho ruim dos últimos três trimestres

Por Da Redação - 15 Jan 2015, 11h05

A economia da Alemanha cresceu 1,5% em 2014, melhor desempenho em três anos, impulsionada, principalmente, por consumo e comércio. Segundo dados preliminares da Agência Federal de Estatísticas, o consumo privado adicionou 0,6 ponto percentual (p.p.) ao Produto Interno Bruto (PIB) do país europeu, enquanto o comércio internacional contribuiu com 0,4 p.p.

O emprego, que atinge máximas históricas, salários em alta e a inflação moderada motivaram o consumo das famílias na Alemanha no ano passado. O comércio também registrou desempenho favorável, apesar da persistente fraqueza na Europa, maior mercado para exportações alemãs, e crises na Ucrânia e no Oriente Médio.

Ainda que positivo, economistas relativizam os resultados. Segundo eles, o desempenho econômico não foi tão bom em 2014 quanto sugerem os dados. “Olhando mais de perto, a economia alemã ficou no modo de espera em boa parte do ano”, disse Ferdinand Fichter, do instituto econômico DIW. “Na realidade, foi apenas o início forte de 2014 que levou a esse bom resultado, e isso foi possível graças ao inverno ameno”, acrescentou.

A economia alemã começou o ano com crescimento trimestral robusto de 0,8%, mas contraiu no segundo trimestre e evitou por pouco uma recessão técnica com expansão fraca de 0,1% no terceiro trimestre.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Alemanha tem o primeiro orçamento equilibrado desde 1969

Os quatro erros da Alemanha

PIB da Alemanha recua 0,2% no 2º trimestre em prévia

Continua após a publicidade

2015 – Fontes consultadas pela agência Reuters afirmaram que o governo estava considerando revisar sua projeção de crescimento do PIB em 2015, de 1,3% para 1,5%. “Se a Alemanha crescer 1,5% em 2015, será por causa dos preços baratos de petróleo e do euro mais fraco. A Alemanha precisa urgentemente de mais investimentos públicos e mais incentivos ao investimento privado”, disse o economista Holger Sandte, da Nordea.

(Com agência Reuters)

Publicidade