Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PIB cresce 1,1% em 2018 e registra segunda alta consecutiva

No quarto trimestre, o resultado foi de 0,1% na comparação com os três meses anteriores; os dados foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira

Por Da Redação Atualizado em 28 fev 2019, 11h57 - Publicado em 28 fev 2019, 09h06

Ainda em ritmo lento, a  economia brasileira voltou a crescer em 2018, com o Produto Interno Bruto (PIB) registrando alta de 1,1% no acumulado do ano, totalizando 6,8 trilhões de reais. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, 28. É o segundo resultado anual positivo após dois anos de retração, entre 2015 e 2016.

No quarto trimestre, o resultado foi de 0,1%, na comparação com os três meses anteriores.

O PIB é a a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. O IBGE mede a produção da economia de duas formas: sob o ponto de vista dos setores que produzem e dos que consomem. Em 2017, primeiro ano após a recessão, o PIB foi de 1,1%

O setor de serviços, que cresceu 1,3% em 2018, foi o que mais contribuiu para o avanço.

Os serviços, que respondem por 75,8% do PIB, registraram taxas positivas em todas as sete atividades pesquisadas. As atividades imobiliárias, que cresceram 3,1%, e o comércio, 2,3%, foram os ramos que mais influenciaram o desempenho do setor.

Continua após a publicidade

“Essas atividades foram beneficiadas por um mercado mais estabilizado, aliado à inflação mais controlada e pelo desemprego ligeiramente menor que o do ano passado”, resumiu a gerente de Contas Nacionais do IBGE, Cláudia Dionísio.

A agropecuária se manteve praticamente estável, com variação de 0,1% em relação a 2017. Já a indústria cresceu 0,6%, com destaque para a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e gestão de resíduos, que subiu 2,3%.

“Mesmo com a estabilidade, pode-se dizer que a agropecuária teve um resultado expressivo, uma vez que em 2017 foi o ano de safra recorde. A indústria, por sua vez, vem mostrando sinais de recuperação, embora tenha sido prejudicada por quedas nas demandas por exportação”, comenta a gerente.

Dentro do previsto

O crescimento mais tímido da economia já era previsto por analistas do mercado financeiro. No último Boletim Focus de 2018, os economistas ouvidos pelo Banco Central estimaram que o crescimento da economia do país no ano seria de 1,32%. No primeiro boletim do ano passado, a estimativa de crescimento era de 2,68%. A previsão foi fortemente impactada pela greve dos caminhoneiros, no fim de maio.

Já o índice de a atividade econômica (IBC-Br), medido pelo Banco Central, indicou alta de 1,1% da economia em 2018. A diferença desse indicador para o PIB é que ele leva em consideração produção e volume de impostos. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)