Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

PIB chinês cresce 6,9% no 3º trimestre, menor resultado desde 2009

Apesar disso, o dado veio acima do esperado pelos analistas; bolsas chinesas fecharam estáveis

Por Da Redação 19 out 2015, 09h02

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,9% no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, informou nesta segunda-feira a Agência Nacional de Estatísticas do país. O resultado veio abaixo dos 7% registrado nos dois primeiros trimestres, sendo também a primeira vez que o dado fica atrás dos 7% desde 2009.

Apesar de menor, o resultado veio acima do esperado pelos analistas consultadas pela agência Reuters, que projetavam alta 3,8%. Isso fortalece as expectativas de que a China evitará uma desaceleração profunda em 2015, com analistas prevendo uma queda mais gradual em 2016. “Gastos fiscais mais fortes e crescimento do crédito mais rápido vão limitar os riscos de baixa ao crescimento nos próximos trimestres”, disse o analista da Capital Economics Julian Evans-Pritchard.

Líderes chineses têm tentado acalmar os mercados globais há meses, dizendo que a economia está sob controle após uma inesperada desvalorização do iuane e baixa dos mercados acionários. Alguns analistas esperam que a desaceleração no terceiro trimestre possa ser o ponto mais baixo para 2015, já que uma série de medidas de estímulo entram em vigor nos próximos meses, mas dados mensais fracos para setembro colocam esse otimismo em xeque.

Em sua batalha contra a pior desaceleração econômica em mais de seis anos, o banco central chinês cortou a taxa de juros cinco vezes desde novembro e reduziu o depósito compulsório três vezes neste ano. Na comparação trimestral, o crescimento no terceiro trimestre foi de 1,8%. A produção industrial e os investimentos em ativos fixos do gigante asiático avançaram menos do que o esperado no acumulado do ano, enquanto as vendas no varejo vieram em linha com as expectativas.

Na base anual, a expansão do PIB no terceiro trimestre deste ano teve o pior resultado desde o primeiro trimestre de 2009, quando a economia chinesa cresceu 6,2%.

Continua após a publicidade

Digerindo o resultado, as bolsas chinesas fecharam perto da estabilidade nesta segunda-feira. O Xangai Composto, principal índice acionário do país, fechou em leve baixa de 0,1%, a 3.386,70 pontos, depois de chegar a subir 1% mais cedo no pregão. O Shenzhen Composto, de menor abrangência, registrou ligeiro ganho de 0,1%, a 1.969,64 pontos.

Leia também:

China ultrapassa Estados Unidos em número de bilionários

Bolsas asiáticas têm forte queda, pressionadas por temores sobre a China

(Com agências)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês