Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PIB cai 3,6% em 2016, a segunda queda anual seguida, diz IBGE

É a pior recessão da história, superando a retração vista na década de 1930; o recuo no ano passado atingiu todos os setores

Por Da redação Atualizado em 7 mar 2017, 11h04 - Publicado em 7 mar 2017, 09h01

A economia brasileira caiu 3,6% em 2016 em relação ao ano anterior, segundo dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desempenho negativo  é o pior da história – superando as quedas vistas em 1930 e 1931 –  e foi registrado em todos os setores.

O resultado veio pior que as estimativas dos economistas consultados pelo Boletim Focus, cuja última previsão para o ano, de janeiro, apontava queda de 3,49% no período.

No 4º trimestre do ano passado, a atividade econômica recuou 0,9% em relação ao trimestre anterior, a oitava queda seguida neste tipo de comparação. No confronto entre o último trimestre de 2016 e o de de 2015, a queda foi de 2,5%.

Continua após a publicidade

Setores

A queda da atividade em 2016 foi vista nos três setores produtivos da economia analisados pelo IBGE, com recuos na agropecuária (-6,6%), na indústria (-3,8%) e nos serviços (-2,7%). No total,a soma da produção foi de 6.266,9 bilhões de reais. Do lado da demanda, a queda no ano também foi generalizada, atingindo o consumo das famílias (-4,2%), do governo (-0,6%) e os investimentos (-10,2%). Já as exportações tiveram alta de 1,9%, enquanto as importações diminuíram 10,9%.

Em 2015,  a retração do PIB foi de 3,8% (3,77%), o pior resultado desde 1990. Para este ano, a aposta dos economistas é que a atividade econômica volte ao campo positivo, com alta de 0,49%, segundo o último Boletim Focus, divulgado na segunda-feira. Já a estimativa do governo é que a recuperação seja de 1% em 2017, mas já admitiu que vai revisar o número para baixo.

O quê é o PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todas as riquezas produzidas no país e serve de indicador da atividade econômica. Também é usado como referência para o reajuste do salário mínimo e para contas do governo, como no Orçamento e arrecadação. Ele é calculado a cada três meses pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para chegar ao total, o IBGE faz as contas usando dois métodos, que têm que dar o mesmo resultado: pela produção e pela demanda. No lado da produção, considera-se o quê foi feito nos setores agropecuária, indústria e serviços. Pelo consumo, entram os gastos das famílias, do governo, os investimentos realizados pelas empresas, exportações e importações.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)