Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

PIB brasileiro cai 0,2% no primeiro trimestre

Resultado é puxado pelos recuos da indústria (-0,7%) e da agropecuária (-0,5%); na comparação com o primeiro trimestre de 2018, economia teve alta de 0,5%

Por Jana Sampaio e Alessandra Kianek Atualizado em 30 Maio 2019, 11h50 - Publicado em 30 Maio 2019, 09h03

A economia brasileira apresentou queda de 0,2% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o quarto trimestre de 2018, na série com ajuste sazonal, segundo dados do IBGE divulgados nesta quinta-feira, 30. O primeiro resultado do Produto Interno Bruto (PIB) da gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é o menor desde o quarto trimestre de 2016, quando a economia encolheu 0,6%.

O resultado foi puxado, em grande parte, pelos recuos da indústria (-0,7%) e da agropecuária (-0,5%). A forte queda na indústria extrativa (-6,3%) teve um grande peso no resultado. “O incidente de Brumadinho e o consequente estado de alerta de outros sítios de mineração afetaram todo o setor”, explica a gerente de Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, Claudia Dionísio.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, a economia apresentou alta de 0,5%. O PIB é um índice que serve para medir a atividade econômica, calculando a soma de todas as riquezas produzidas por um país, dentro de um determinado período. Todos os países calculam o seu PIB nas suas respectivas moedas.

Continua após a publicidade

A queda da agropecuária foi puxada por recuos de safras importantes no primeiro trimestre, como soja (-4,4%) e arroz (-10,6%).

Pela ótica da demanda, na comparação com o quarto trimestre de 2018, os investimentos (a Formação Bruta de Capital Fixo) caíram 1,7%, e as exportações, 1,9%, enquanto foram registrados resultados positivos no consumo das famílias (0,3%), no consumo do governo (0,4%) e nas importações (0,5%). “O consumo das famílias foi o pilar que sustentou o indicador no período. Apesar de estar menor, ainda está crescendo. Poderia estar melhor, mas ainda temos uma taxa de desocupação alta e uma inflação que, mesmo controlada, ainda está num patamar mais alto.”, afirma Claudia.

Pelos cálculos do IBGE, órgão do governo de pesquisas e estatísticas, se o ano acabasse hoje, haveria um crescimento de 0,9% no PIB de 2019. Esse índice é inferior ao avanço dos dois últimos anos, quando o crescimento foi de 1,1% tanto em 2017 como em 2018. “O pico do PIB geral foi no primeiro trimestre de 2014. Ainda estamos 5,3% abaixo desse pico. O país não recuperou ainda o que perdeu na crise”, afirma Claudia.

Expectativas ruins para o ano

Após a euforia causada pelo início do governo de Jair Bolsonaro, quando o otimismo pela mudança levou analistas a preverem um PIB  em torno de 3% para o final de 2019, agora a expectativa é de um crescimento de apenas 1%, abaixo dos avanços de 2017 e de 2018. Alguns economistas, porém, já preveem crescimento inclusive abaixo desse número.

Há tempos a economia brasileira não apresenta um avanço significativo. Tanto em 2018 como em 2017, o PIB foi de 1,1%. Em 2016 e em 2015, a economia teve retração, de 3,3% e 3,5%, respectivamente. Devido a sinais de desaceleração da atividade econômica no primeiro trimestre deste ano, bancos e consultorias passaram a cortar as projeções. 

Os cortes das projeções levam em conta, principalmente, uma perspectiva de aprovação da reforma da Previdência mais tardia no Congresso Nacional, o que posterga a volta da confiança, dos empresários e dos consumidores e, consequentemente, das decisões de investimentos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)