Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PIB ajuda Bolsa a subir 2% e faz dólar recuar para R$ 2,32

O dado de que a economia brasileira cresceu 2,3% - acima das expectativas - animou o mercado no pregão desta quinta-feira

O dólar fechou em queda superior a 1% nesta quinta-feira, cotado a 2,32 reais, no menor nível ante o real em dois meses e meio. A queda foi provocada pelo crescimento acima do esperado da economia brasileira no ano passado. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta quinta que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil avançou 2,3% em 2013.

“Num primeiro momento, esse PIB melhor do que o esperado deve estancar o crescimento do pessimismo, mas temos que ver como o país vai se comportar no primeiro trimestre para definir se vai ser suficiente para reverter essa onda de pessimismo”, disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Leia também:

Economia brasileira surpreende no fim do ano e avança 2,3% em 2013

Após balanço, ação da Petrobras tem menor valor desde 2005

Dólar cai pelo terceiro dia e chega a R$ 2,35

O número vem em um momento de relativa tranquilidade nos mercados financeiros brasileiros. O dólar já acumula queda de 3,64% em fevereiro, após sofrer intensa pressão no início do ano em meio à onda global de mau humor que dominou os mercados emergentes. “Ao longo das últimas sessões, está havendo bastante fluxo vendedor (de dólares) por parte dos estrangeiros”, afirmou o gerente de análise da XP Investimentos, Caio Sasaki.

O alívio recente foi sustentado pela divulgação, na semana passada, da nova meta de superávit primário para 2014 – de 1,9% do PIB -, considerada plausível por investidores. “O mercado comprou a história de um fiscal melhor e desmontou toda aquela alta que tinha acumulado no começo do ano”, resumiu o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros. No final de janeiro, o dólar chegou a ser negociado próximo a 2,45 reais.

Bolsa – O resultado do PIB também ajudou no desempenho da Bolsa. O Ibovespa fechou em alta de 2,12%, a 47.589 pontos, com investidores animados pelo crescimento acima do esperado da economia brasileira no quarto trimestre e impulsionado pelas ações de Petrobras, Vale e do setor financeiro.

(com agência Reuters)