Clique e assine a partir de 9,90/mês

PF cumpre novas buscas da Operação Zelotes em SP, DF e RS

São cumpridos nesta quinta-feira 9 mandados de busca e apreensão em escritórios de contabilidade de São Paulo, Brasília e Santo Ângelo

Por Da Redação - 3 set 2015, 10h09

A Polícia Federal, em conjunto com a Corregedoria do Ministério da Fazenda e Receita Federal, cumpre nesta quinta-feira novas buscas no âmbito da Operação Zelotes, que apura denúncias de manipulação em julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Em nota, a Polícia Federal (PF) informou que o objetivo é arrecadar documentos contábeis de algumas empresas investigadas para auxiliar as análises e perícias do interesse da investigação.

Nesta quinta-feira, são cumpridos nove mandados de busca e apreensão em escritórios de contabilidade, sendo cinco em Brasília (DF), um em São Paulo (SP) e três em Santo Ângelo (RS). Também foi solicitada a quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico de todos os envolvidos com o material apreendido.

“Com essas medidas, os investigadores esperam ter acesso a materiais que possam reforçar as provas sobre o envolvimento de doze empresas e onze pessoas físicas no esquema fraudulento que vinha causando potenciais lesões aos cofres públicos”, diz a PF.

Segundo o procurador do Ministério Público Federal (MPF) Frederico Paiva, que está à frente das investigações, as primeiras denúncias da Zelotes devem ser apresentadas até o começo de setembro. A investigação corre sob sigilo.

Leia mais:

Operação Zelotes: nem todos os julgamentos do Carf serão alterados

Continua após a publicidade

Mudanças no Carf blindam órgão contra corrupção, diz presidente

Histórico – A Operação Zelotes foi deflagrada no dia 26 de março deste ano. Ao todo, 180 policiais federais e 55 fiscais da Receita Federal cumpriram 41 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Ceará e no Distrito Federal.

O Carf julga em segunda instância recursos administrativos fiscais relativos a tributos cobrados pela Receita Federal. De acordo com o MPF, os integrantes do esquema de corrupção escolhiam processos de grande valor que estavam na pauta do órgão, buscando, em seguida, oferecer uma solução conveniente às companhias em troca de dinheiro.

A operação investiga 74 processos que somariam 19 bilhões de reais em fraudes contra o fisco. Segundo a PF, foram constatados prejuízos de, pelo menos, 6 bilhões de reais aos cofres públicos.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade