Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petróleo termina em queda em NY e fica estável em Londres

O petróleo terminou em baixa nesta sexta-feira em Nova York após a realização de lucros por parte dos investidores, menos confiantes que na quita-feira sobre uma resolução rápida da crise da dívida na Europa.

O barril de “light sweet crude” para entrega em outubro terminou em baixa de 1,44 dólar no New York Mercantile Exchange (Nymex), fechando a 87,96 dólares o barril.

Em Londres, no Intercontinental Exchange (ICE), o barril de Brent do mar do Norte para entrega em novembro fechou a 112,22 dólares, contra 112,30 na véspera.

Segundo os especialistas, na quinta-feira houve uma reação favorável à ação dos bancos centrais e às declarações da chanceler alemã, Angela Merkel, do presidente francês Nicolas Sarkozy sobre a manutenção da Grécia na zona euro. “Isso despertou o apetite dos investidores por risco”, disse o analista da TD Securities, Bart Melek.

Os investidores reagiram principalmente à decisão do Banco Nacional Suíço (BNS), o Banco de Inglaterra, o Banco do Japão, o Banco Central Europeu (BCE) e o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) de reforçar o fornecimento de liquidez em dólares no mercado financeiro europeu.

Contudo, a reunião dos ministros europeus de finanças, nesta sexta-feira na Polônia, trouxe a cautela de volta ao cenário econômico mundial.

O secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, também participou da reunião e se pronunciou dizendo que a Europa deveria disponibilizar mais dinheiro para o fundo de resgate dos países em crise.

Outro fator que influenciou a baixa dos preços de petróleo foi a retomada da produção líbia, num período no qual a demanda não tem aumentado, disse Melek.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) disse que a Líbia poderá voltar a sua produção anterior aos levantes rebeldes, de 1,6 milhão de barris por dia, em menos de um ano e meio.