Clique e assine a partir de 9,90/mês

Petróleo fecha em queda com revisão na demanda global

Por Da Redação - 10 Jul 2012, 17h09

Por Álvaro Campos

Nova York – Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em queda nesta terça-feira, pressionados pela alta do dólar e renovados temores com a Europa. Além disso, os EUA reduziram sua projeção para a demanda mundial por petróleo em 2012 e 2013, em função do excesso de oferta. E uma greve geral no setor de petróleo na Noruega foi evitada.

O contrato do petróleo WTI para agosto perdeu US$ 2,08 (2,42%), fechando a US$ 83,91 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o petróleo do tipo Brent para agosto recuou US$ 2,35 (2,34%), fechando a US$ 97,97 o barril.

O petróleo perdeu nesta terça-feira um importante suporte. O governo da Noruega interveio em uma disputa entre as petroleiras e os funcionários para evitar uma greve geral e determinou uma arbitragem compulsória para tentar resolver uma paralisação dos trabalhadores de plataformas offshore que já dura quase três semanas. A paralisação causa uma queda de 15% na produção diária de petróleo do país, que é o quinto maior exportador de petróleo do mundo.

Continua após a publicidade

Além disso, o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, reacendeu os temores dos investidores. Ele negou que o país precise de um pacote de resgate internacional semelhante ao que recebeu a Grécia. Mas ele não descartou a possibilidade de pedir ajuda ao Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês), o fundo de resgate permanente da zona do euro.

O petróleo também foi prejudicado pela alta do dólar, que opera perto da máxima em dois anos em relação ao euro. Como é denominado na moeda norte-americana, o petróleo se torna mais caro para compradores que usam outras divisas quando o dólar sobe.

Nesta terça-feira a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) do governo dos EUA reduziu suas projeções para a demanda global por petróleo em 2012 e 2013. A demanda para este ano foi reduzida para 88,64 milhões de barris por dia, enquanto a demanda no ano que vem foi revista para 89,37 milhões de barris por dia.

A EIA prevê que o petróleo negociado em Nova York oscilará em torno de US$ 88,00 o barril no segundo semestre deste ano. Já a projeção para o preço do galão de gasolina reformulada (RBOB, na sigla em inglês) foi reduzida para US$ 3,39 no terceiro trimestre deste ano. As informações são da Dow Jones.

Publicidade