Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Petróleo estabiliza-se em Nova York após forte baixa

Por null 28 jul 2011, 17h03

Os preços do petróleo estabilizaram-se nesta quinta-feira em Nova York, depois das fortes perdas registradas na quarta-feira, em um mercado volátil, pendente das negociações sobre a dívida em Washington.

No New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de West Texas Intermediate (designação de “light sweer crude” negociado nos EUA) para entrega em setembro fechou em 97,44 dólares, em alta de 4 centavos em relação à quarta-feira.

No IntercontinentalExchange de Londres, o barril de Brent do Mar do Norte com igual vencimento perdeu 7 centavos, a 117,36 dólares.

“O mercado espera ver o que acontecerá com o limite da dívida”, afirmou Matt Smith, da Summit Energy. “Há outros fatores, mas o mercado concentra-se apenas nisso”.

As negociações continuavam para tentar evitar uma crise severa sobre a questão da dívida em Washington, onde democratas e republicanos não conseguem chegar a um consenso sobre o aumento do teto da dívida federal e um orçamento, a poucos dias da data limite estimada pelo Tesouro, depois da qual o país não estará em condições de honrar suas obrigações.

O pregão foi muito volátil, os preços passaram várias vezes da alta para a baixa.

Continua após a publicidade

“Eventos econômicos e políticos perturbadores continuam afetando o mercado de câmbio, onde os altos e baixos do dólar repercutem no mercado de petróleo”, explicou Michael Fitzpatrick, da Kilduff Report.

O claro fortalecimento do dólar tinha contribuído para pressionar os preços do petróleo na quarta-feira, quando o barril de WTI perdeu mais de 2 dólares.

A moeda americana continuava se fortalecendo parcialmente nesta quinta-feira.

“Será necessário acompanhar o dólar, se os temores sobre a crise da dívida americana se agravarem, poderá enfraquecer-se novamente e impulsionar os preços do petróleo para cima”, afirmou Phil Flynn, da PFG Best Research.

Em um mercado fragilizado e nervoso, os indicadores econômicos americanos publicados nesta quinta-feira deram algum apoio.

As novas solicitações de seguro-desemprego caíram em julho a seus menores níveis desde abril, abaixo da barreira simbólica de 400.000 pedidos (398.000) e as promessas de venda de moradias aumentaram pela segunda vez consecutiva em junho, em 2,4%.

Por outro lado, o mercado acompanhava a evolução da tempestade tropical Don, que se dirige para o Golfo do México, região prolífica em explorações petroleiras.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês