Clique e assine a partir de 8,90/mês

Petrobras volta a reduzir preço da gasolina e do diesel nas refinarias

No acumulado deste ano, a gasolina já sofreu redução de 48% – queda, porém, demora a chegar nos postos para o consumidor

Por Alessandra Kianek - 14 abr 2020, 19h32

A Petrobras anunciou uma nova redução dos preços dos combustíveis nas refinarias a partir desta quarta-feira, 15. O corte ocorre num momento em que as cotações do petróleo no mercado internacional estão em queda abrúpta com o avanço do surto de coronavírus no mundo e com a desaceleração da economia global. De acordo com a companhia, o preço médio do litro da gasolina terá queda de 8%, passando a custar 0,99 centavos de real por litro, e o do diesel, de 6%, para 1,50 real. No acumulado deste ano, a gasolina já sofreu redução de 48,2% e o diesel de 35,4% nas refinarias.

Os preços do petróleo no mercado internacional já caíram mais de 50% neste ano, na medida em que o avanço do coronavírus impulsionou  a queda da demanda global. Os grandes países produtores da commodity fecharam um acordo no início desta semana para um corte histórico de oferta, porém a medida ainda é vista como insuficiente para eliminar preocupações relacionadas à interrupção da demanda causada pela pandemia. E assim, os preços voltaram a cair nesta terça-feira, 14. O valor do petróteo de referência nos Estados Unidos fechou a 20,11 dólares por barril, queda de 10,3%, após o alarme de que a capacidade de armazenamento pode se esgotar em meados de maio no país. Já em Londres, os contratos futuros do petróleo do tipo Brent recuaram 6,7%, para 29,60 dólares o barril. Ambos, acumulam queda de mais de 50% neste ano.

Apesar de os países produtores de petróleo de todo o mundo resolverem reduzir o bombeamento em até 19,5 milhões de barris por dia (bpd), os cortes estão sendo implementados gradualmente e, em alguns casos, levarão semanas para ter início. Em contraste, a demanda global pela commodity despencou cerca de 30% nas últimas semanas, levando refinarias e produtores a ficarem com o produto em meio a um rápido aumento dos estoques.

Queda lenta para o consumidor

O repasse dos ajustes dos preços dos combustíveis nas refinarias para o consumidor final nos postos de combustíveis não é imediato e depende de diversos fatores, como consumo de estoques, impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis. De acordo com a Petrobras, o valor cobrado pelas refinarias representa 19% do preço final da gasolina. Segundo pesquisa realizada pela agência reguladora ANP, o preço médio da gasolina cobrado nos postos de combustíveis do Brasil recuaram apenas 9% em 2020 até a semana passada, para 4,149 reais por litro. Já o diesel, teve recuo de 12% nas bombas neste ano.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade