Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petrobras reduz preço da gasolina nas refinarias em 3,1%

No caso do diesel, corte será de 10,4%; empresa dará mais detalhes da decisão na manhã desta quarta-feira

A Petrobras anunciou nesta terça-feira que decidiu reduzir em 3,1% o preço da gasolina nas refinarias e o preço do diesel em 10,4%. A medida vale a partir da meia-noite desta terça-feira.

Em comunicado, a estatal disse que a decisão aconteceu por causa da queda recente dos preços do petróleo nos mercados internacionais e pela redução da participação da empresa nas vendas no mercado interno. “Essas variáveis justificaram uma correção maior nos preços do diesel que na gasolina”, disse a estatal.

No comunicado, a Petrobras repete que a metodologia definida pela empresa “prevê a revisão dos preços cobrados nas refinarias pelo menos uma vez por mês após análise do comitê formado pelo presidente da companhia, o diretor de refino e gás natural e o diretor financeiro e de relação com investidores”.

A decisão será detalhada na manhã desta quarta-feira em entrevista coletiva do diretor de refino e gás natural da Petrobras, Jorge Celestino, informou a companhia.

O anúncio ocorre menos de um mês depois de a Petrobras decidir por outro corte dos preços da gasolina e do diesel nas refinarias. Dias depois, com a alta dos combustíveis nos postos, Pedro Parente, presidente da estatal, disse que o desdobramento foi “decepcionante”.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Micky Oliver

    FDP!!! NAS BOMBAS AQUI EM MG TÁ 4,09 I LITRO!!!

    Curtir

  2. Sidnei Santos

    A população está pagando o rombo do petrolao o preço praticado aqui ainda seria o de $100,00 lá fora está na faixa de $50,00 penalizam um país inteiro por causa dessa empresa.

    Curtir

  3. Felipe Atoline

    O que a notícia não diz é que ainda está mais barato importar gasolina e diesel do que comprar da petrobras. Por isso a “redução da participação da empresa nas vendas no mercado interno”. Só que a empresa é muito ineficiente e não tem como competir e manter margem, ainda mais com uma dívida bilionária para carregar.

    Curtir