Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Petrobras fechará 2011 com capacidade de refino de 1,85 mi bpd

Por Da Redação - 25 out 2011, 16h13

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Petrobras deve fechar o ano com uma carga média de processamento de petróleo em suas refinarias de 1,85 milhão de barris/dia, mais uma vez inferior à capacidade de produção de petróleo, segundo o diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa.

“Ainda estamos atrasados nas refinarias; já deveria ter refinaria pronta, para agora. Não para a partir do ano que vem. Estamos fazendo um esforço gigantesco”, afirmou Costa a jornalistas após participar de evento no Rio.

Nesta segunda-feira, a capacidade de processamento das refinarias da empresa atingiu, segundo Costa, 1,98 milhão de barris. A produção média de petróleo da Petrobras este ano é estimada em 2,1 milhões de barris/dia, meta que, no entanto, não tem sido alcançada.

“Ontem chegamos a esse volume (de 1,98 milhão de processamento), mas na média do ano achamos que vai dar para fazer 1,85 milhão de barris. Durante o ano você tem várias paradas para manutenção e paralisações”, disse Costa.

Publicidade

“Já tivemos picos de mais de 2 milhões, mas isso só acontece quando está tudo azul e dando tudo certo”, declarou o diretor da Petrobras, que prevê para 2012, uma redução nas paradas para manutenção nas 10 refinarias da estatal espalhadas pelo país.

O executivo lembrou que em relação ao ano passado, a empresa já conseguiu esse ano aumentar a capacidade de refino em 42 mil barris ao dia graças à implantação de novas tecnologias e equipamentos.

“Esse ano entramos com 22 novas unidades nas nossas refinarias; são unidades de tratamento, hidrogênio e outros. É muita coisa uma vez que cada refinaria tem 14 a 15 unidades operando”, frisou.

O executivo lembrou que o tamanho do mercado consumidor equivale a aproximadamente 2,2 milhões de barris ao dia. O cronograma da empresa prevê a partir de 2012 a entrada em operação de refinarias para ampliar a capacidade de refino do país.

Publicidade

A estimativa da estatal é que em 2020 a capacidade de processamento suba para 3,2 milhões de barris de petróleo ao dia, volume ainda abaixo das projeções de consumo de cerca de 3,3 milhões de barris dia e de produção de petróleo cru no país de 5 milhões.

“Vamos atender o mercado com mais 4 refinarias (até 2020), mas vamos ter que exportar óleo cru… é o jogo. Lá na frente quem estiver na diretoria vai ter que pensar em novas unidades”, afirmou Costa antes de lembrar que a última refinaria construída no país foi em 1980.

Segundo o diretor da Petrobras, a demanda por derivados líquidos esse ano cresce quase 7 por cento, o dobro da previsão para o PIB que é de 3,5 por cento. O consumo de gasolina avança em 2011 mais de 10 por cento assim como o querosene de aviação.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Publicidade