Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Petrobras está nas mãos de Dilma’, diz Delcídio

Em áudio gravado por filho de Cerveró, líder do governo no Senado disse que estatal está totalmente desconectada do Ministério de Minas e Energia

O atual presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, não está na linha de frente das decisões da estatal, e quem dá a palavra final é a presidente do país, Dilma Rousseff. A declaração foi feita pelo senador Delcídio do Amaral (PT-MS) em trecho de conversa gravada por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. “Outro dia, uma pessoa me perguntou a quem Bendine se subordina, ao ministro [Eduardo Braga, de Minas e Energia] ou à Dilma (…) Sai e falei: Vocês viram quem que despacha na Petrobras? (…) É a Dilma”, afirmou o líder do governo no Senado. Delcídio foi preso na manhã desta quarta-feira, por suspeita de obstrução da Operação Lava Jato.

Delcídio justifica a fala com base em uma reunião que Dilma teve com ministros, incluindo Braga, em que o ministro sequer se manifestou. “O Eduardo Braga é um cara que foi companheiro nosso no Senado. É um cara mandão. Na conversa, na reunião com os ministros ele não deu um ‘piu’, ou seja, a Petrobras está sendo comandada pela Dilma”, disse o senador. “A Petrobras está totalmente desconectada do Ministério de Minas e Energia. (…) Está nas mãos dela [Dilma]”, acrescenta, em outro momento da conversa.

Também presente na conversa o advogado de Nestor Cerveró, Edson Ribeiro, chega a comparar Bendine à rainha da Inglaterra, ou seja, reina, mas não governa. Em outro trecho da discussão, Ribeiro também reforça a influência da ex-presidente da estatal, Graça Foster, na nomeação de gerentes. Ele cita dois nomes: Solange Guedes, de Engenharia de Produção e Jorge Celestino, de Executiva de Logística.

Em uma fala sugestiva, mas sem detalhes, Celestino, segundo Ribeiro, está com força total e já irá “aparecer nas coisas”. Também participou da conversa o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira.

Leia mais:

Prisão de André Esteves ameaça rating do BTG e pode afetar fundos

Ações do BTG caem 21% e pressionam bancos na Bovespa

(Da redação)