Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petrobras encerra 2015 com 28 ações judiciais nos EUA

Mais três investidores entraram com ação nesta semana, quando expira prazo dado por juiz do caso

Mais três investidores entraram com processo contra a Petrobras na Corte de Nova York nesta semana. Com isso, a petroleira já é alvo de 28 ações individuais abertas nos Estados Unidos por causa da Operação Lava Jato, além de uma ação coletiva.

Dois fundos entraram com ação individual nesta quarta-feira. Um deles foi o Manning & Napier, com sede no Estado de Nova York e 37 bilhões de dólares de ativos sob gestão. O outro foi a gestora State Street Cayman Trust Company, com sede nas Ilhas Cayman. No dia 28, quem entrou com ação foi o fundo Janus Overseas Fund, da gestora Janus Capital, que tem sede no Estado do Colorado e administra cerca de 190 bilhões de dólares.

Leia também:

Petrobras não precisa de injeção de capital, diz Barbosa

Fitch retira grau de investimento da Petrobras

À PF, Bumlai diz que “estrutura da Petrobras era do PT”

Os investidores alegam que a Petrobras burlou as regras do mercado acionário dos Estados Unidos ao não divulgar corretamente as perdas com o esquema de corrupção na empresa, investigado pela Lava Jato. Com o avanço das investigações, os preços dos papéis despencaram, provocando prejuízo para os investidores. A Petrobras tem papéis listados na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse, na sigla em inglês).

A quantidade de ações individuais contra a Petrobras surpreendeu o próprio juiz que cuida do caso, Jed Rakoff, de acordo com um comentário dele em um documento da Corte. Além dos processos individuais, há uma ação coletiva, que representa todos os demais investidores.

Rakoff resolveu fazer um mesmo julgamento para as ações coletivas e as individuais. Por isso, ele estabeleceu o prazo até 31 de dezembro para que as ações que entrarem na Justiça dos Estados Unidos façam parte do julgamento, marcado para começar dia 19 de setembro. Os processos que entrarem a partir de janeiro vão ficar em espera, sendo avaliados apenas depois do julgamento.

(com Estadão Conteúdo)