Clique e assine a partir de 9,90/mês

Petrobras cancela contratos com o grupo Schahin, alvo da Lava Jato

Contratos anulados somavam cerca de 5 bilhões de dólares; rescisão pode comprometer a recuperação judicial da empresa levando-a até a falência

Por Da Redação - 25 May 2015, 12h47

A Petrobras rescindiu contratos para serviços de afretamento, operação e manutenção de cinco navios sondas do Grupo Schahin, envolvido na Operação Lava Jato e que passa por sérias dificuldades financeiras. Os contratos fechados em sua maioria entre 2006 e 2008 somavam cerca de 5 bilhões de dólares, ou 15 bilhões de reais na cotação atual do dólar. A estatal ainda quer cobrar multa de 10% sobre o valor total, por causa das paralisações das sondas ocorridas em início de abril, segundo notificação enviada à empresa na quinta-feira e comunicada à Justiça de São Paulo na sexta-feira.

A rescisão pode ter como consequência um rombo para credores e fornecedores da Schahin de cerca de 12 bilhões de reais. Apesar de nenhum dos navios sondas fazer parte do processo de recuperação judicial do grupo, que está em curso na Justiça paulista desde meados de abril, a decisão da Petrobras vai afetar todo o processo e pode até levar a empresa à falência.

Leia também:

Schahin interrompe atividade de cinco sondas usadas pela Petrobras

Continua após a publicidade

Alvo da Lava Jato, Schahin entra com pedido de recuperação judicial

Sem essa receita dos contratos com a estatal, a recuperação da empresa pode ficar comprometida. Além disso, a decisão afeta os bancos, principalmente estrangeiros, que financiaram as sondas para a Schahin e que estavam negociando uma reestruturação diretamente com a empresa. Segundo o advogado de um importante banco estrangeiro, credor da Schahin, sem os contratos da Petrobras as sondas não valem nada.

A recuperação judicial do grupo Schahin é bastante intrincada em função da grande quantidade de empresas e sociedades no exterior. Desde o começo, o processo judicial já não envolvia todas as empresas do grupo e apenas metade de sua dívida, cerca de 6,4 bilhões de reais, foi listada.

Apenas um navio sonda do grupo está hoje no processo de recuperação, a sonda Vitória 10000. Já a dívida referente às empresas que são donas das outras cinco sondas do grupo, que tiveram agora o contrato com a Petrobras rescindido, não estavam no processo, e estão sendo renegociadas diretamente com bancos e detentores de bônus.

Continua após a publicidade

A revisão dos contratos com a Schahin começou a ser feita pela Petrobras no início de abril quando a empresa informou a paralisação das atividades de cinco das sondas afretadas para a Petrobras: Amazônia, Pantanal, Lancer, Sertão e Cerrado.

A Schahin alegou na carta em que fez o comunicado à estatal que não tinha mais recursos para manter as sondas operando e que estava em processo de renegociação de financiamentos. No entendimento da Petrobras, no entanto, houve um inadimplemento contratual que a permite rescindir o contrato. A Schahin tenta alegar que esta rescisão só caberia em uma paralisação superior a 60 dias, o que não aconteceu já que as sondas voltaram ao mar no fim de abril.

Informações dos documentos anexados ao processo, no caso das sondas Amazônia e Pantanal, mostram que o banco ICBC, da China, cancelou o leasing de cerca de 3 bilhões de reais e retomou as sondas. Mas para o banco interessa ter os contratos com a Petrobras.

Além do ICBC, são credores da Schahin o banco japonês Mizuho, um sindicato de bancos liderados pelo Banco de Desenvolvimento da Coreia, além de detentores de bônus. Os contratos dos navios sonda variavam de três a dez anos, e parte dos 15 bilhões de reais já foi recebida pela Schahin, mas a Petrobras não informou o valor já pago.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Alvo da Lava Jato, OAS entra com pedido de recuperação judicial

Juiz aceita pedido de recuperação judicial da OAS

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade