Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Petrobras cai mais de 10% e derruba Bovespa

Após divulgar balanço sem considerar perdas com corrupção, papéis da petroleira desabaram e motivaram queda de 1,85% da bolsa brasileira

Por Da Redação 28 jan 2015, 18h13

A frustração do mercado com o balanço trimestral da Petrobras, divulgado sem a esperada baixa contábil (redução no valor de ativos) derrubou as ações da estatal em mais de 10% e contaminou o Ibovespa. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira terminou em baixa de 1,85%, aos 47.694,54 pontos, menor nível desde 14 de janeiro. O giro financeiro do pregão foi de 5,9 bilhões de reais. Os papéis preferenciais da Petrobras (PN, sem direito a voto) perderam 11,21%, e os ordinários (ON, com direito a voto) caíram 10,48%.

Em relatórios, analistas ressaltaram que a divulgação do balanço atendeu apenas obrigações com credores e não deu uma dimensão das perdas decorrentes de sobrepreço nos contratos que, conforme investigação do Ministério Público Federal (MPF), beneficiou ex-funcionários, executivos de fornecedoras e políticos. “Isso é bastante frustrante, dado que todos esperavam por estes números para ter um algum dimensionamento das perdas e do valor dos ativos da empresa”, escreveram analistas da Planner, em relatório.

Leia também:

Minoritário que processa Petrobras acredita que EUA não vão tolerar falta de transparência

Mantega e Miriam Belchior pressionaram Petrobras a não divulgar grandes baixas contábeis

Na madrugada desta quarta-feira, a Petrobras anunciou lucro líquido de 3,087 bilhões de reais, em queda de 38% ante o segundo trimestre do ano passado. Os números foram divulgados após uma reunião de onze horas do Conselho de Administração da estatal, que não chegou a um consenso sobre como separar no balanço as perdas provocadas pelos desvios apontados na Operação Lava Jato dos prejuízos com outros fatores, como projetos ineficientes e atrasos causados por chuvas.

Embora não tenha efetivamente reduzido o valor de seus ativos, a Petrobras apresentou um cálculo indicando potenciais baixas contábeis de 61,4 bilhões de reais, referentes a contratos assinados entre 2004 e abril de 2012. Anda assim, a preocupação de investidores sobre a saúde financeira da estatal deve continuar, já que não se sabe o valor exato da baixa contábil.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Ações da Petrobras despencam 10% nesta quarta

Punição contra Petrobras será mais dura nos EUA

Para executivo da PwC, mercado ainda vai precificar balanço da Petrobras

Além da situação delicada da Petrobras, também repercutiu nos mercados brasileiros a percepção de que o ajuste fiscal comandado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, terá que passar por rodadas de negociação antes de ser colocado em prática. “Não será fácil, e os mercados vão precificando isso, após semanas de maior euforia e otimismo. Começamos a ouvir críticas às mudanças, à medida que os ajustes são anunciados”, disse a corretora Guide Investimentos. No setor financeiro, o que detém maior fatia do índice, Bradesco PN recuou 2,39%, Itaú Unibanco PN, 2,04%, e BB ON, 4,30%.

No exterior, o mercado também ficou na defensiva antes da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), à espera de sinais sobre quando os juros começarão a subir na maior economia do mundo. Logo após o fechamento dos mercados brasileiros, o Fed repetiu que continuará “paciente” para elevar os juros e disse que a economia dos EUA está nos trilhos, apesar das turbulências em outros mercados ao redor do mundo.

Dólar – À espera de sinalizações do Fed, a moeda americana subiu 0,25%, a 2,5769 reais na venda, após recuar 0,77% na terça-feira.

(Com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade