Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Petrobras afasta diretor de compliance após ‘erro grave’

O diretor vai recorrer da advertência aplicada pela Comissão de Ética da Presidência

Por Da redação Atualizado em 24 ago 2017, 12h04 - Publicado em 23 ago 2017, 19h42

O conselho de administração da Petrobras decidiu hoje afastar do cargo o diretor de governança e conformidade, João Adalberto Elek Júnior. Ele foi advertido pela Comissão de Ética da Presidência por violação da lei de conflito de interesses.

A punição ocorreu após denúncia de que Elek contratou, sem licitação, a Deloitte para realizar auditoria e consultoria empresarial para a Petrobras. A contratação foi feita no final de 2015, pelo valor de 25 milhões de reais. Na época, a filha do diretor passava por um processo de seleção na Deloitte, sendo mais tarde contratada pela consultoria.

O diretor vai recorrer da advertência aplicada pela Comissão de Ética. Em reunião hoje, a Petrobras decidiu que Elek ficará afastado do cargo até que seu recurso na comissão seja julgado.

Em nota, a Petrobras informa que a filha do diretor foi contratada em um processo seletivo que durou de setembro de 2015 a março de 2016, baseado em envio de currículo, entrevistas e testes diversos. “Em nenhum momento suas funções envolveram assuntos ligados à Petrobras. No mesmo mês de março, o diretor comunicou à comissão de ética da Petrobras que sua filha havia sido contratada.”

Continua após a publicidade

Sobre a contratação sem licitação, a Petrobras informa que ela recebeu pareceres favoráveis da auditoria interna e do departamento jurídico e ocorreu após o início do processo de seleção da filha de Elek. A justificativa para a contratação era investigar denúncias recebidas pelo canal Denúncia da Petrobras. “A dispensa da licitação foi justificada tendo em vista os riscos que poderiam ser gerados para a companhia, como atrasos e/ou a interrupção desses trabalhos, incluindo o enfraquecimento da governança da Petrobras.”

A Petrobras informa que criou uma comissão especial que avaliou o assunto e “concluiu que o processo de contratação foi justificado e regular”. “A Comissão, com base nas evidências encontradas e no seu melhor julgamento, também entendeu que o Diretor João Elek não havia cometido infrações às normas de conflito de interesse.”

Em razão do cargo ocupado por Elek, a Petrobras decidiu afastá-lo até o julgamento do seu recurso.

Para o presidente da Comissão, Mauro Menezes, “Houve uma conduta errada e violadora da lei”. “Estamos falando de um diretor de compliance da maior empresa brasileira”, observou ele ao classificar a atitude do executivo como “erro grave” de conduta ética. “Consideramos a conduta violadora da norma ética.”

A Deloitte não comentou o caso.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês