Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pesquisa aponta inadimplência de 25% de quem usa cartão de crédito em 2018

O estudo do CNDL/SPC Brasil aponta que 77% dos brasileiros vivem com aperto financeiro e 29% estão no vermelho

Por Clara Valdiviezo
7 fev 2019, 17h30

A pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta inadimplência de 25% dos consumidores brasileiros que utilizaram cartões de crédito no ano passado. O indicador ainda aponta que 48% dos brasileiros recorrem a alguma modalidade de crédito e que 77% vivem em situação de aperto.

O cartão de crédito é a modalidade de pagamento que mais cobra juros e, ainda sim, a mais escolhida pelos consumidores, 38% dos entrevistados opta por pagar com cartão de crédito, enquanto 15% escolhem o crediário, 8% o empréstimo ou o cheque especial e 6% o financiamento. O estudo aponta que houve um aumento de 20% para 25% dos usuários que não conseguiram

O presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior afirma que o cartão de crédito se consolidará como a principal forma de pagamento em um futuro bem próximo, já que se mostrou uma ferramenta muito segura. Mas Pellizzaro adverte, “apesar da facilidade de seu uso, o consumidor deve se manter em alerta para não se exceder nos gastos, pois em virtude dos juros, o valor da fatura pode se multiplicar em um curto espaço de tempo, tornando a dívida muitas vezes impagável”.

A ferramenta vem se consolidando no pagamento de despesas correntes do mês. Os entrevistados apontaram as compras no supermercado como a aquisição mais recorrente (56%), as compras de roupas calçados e acessórios ficam em segundo lugar com 48% de aparição, depois vieram os remédios, com 40%, os restaurantes e bares com 29% e os combustíveis com 28%.

Continua após a publicidade

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti diz que o principal erro dos consumidores é a falta de organização, “comprar com o cartão de crédito não traz senso de gasto, parece que a compra não cai no bolso, mas acaba pesando no final do mês”. A economista afirma que é possível usar a ferramenta a seu favor, se tiver controle dos próprios gastos, e conferir regularmente a fatura e fizer um balanço do seu próprio orçamento.

O levantamento mostra que 77% dos consumidores vivem em uma situação de aperto, e 29% deles não consegue pagar as contas com seu rendimento. A pesquisa ainda aponta que 47% dos brasileiros conseguem pagar suas contas, mas o dinheiro não sobra no final do mês. Apenas 15% estão em situação confortável. Grande parte dos consumidores têm a impressão de que os juros estão mais altos, e 40% deles dizem que  os juros finais cobrados na ponta estão mais altos nos últimos três meses.

A principal dica da economista para os consumidores que estão no vermelho é deixar o cartão de crédito imediatamente, e se organizar sem contar com qualquer ferramenta de crédito e fazer um balanço para tentar pagar a dívida do cartão o mais rápido possível, já que os juros são muito altos e podem surpreender o consumidor.

O estudo feito pela CNDL e pelo SPC Brasil abrangeu 12 capitais das cinco regiões brasileiras e analisou 800 casos. O  indicador está disponível na íntegra no site do SPC Brasil.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.