Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Peso real’ tende a ser pouco benéfico para o Brasil, dizem economistas

Criação de moeda única, proposta pelo presidente Jair Bolsonaro, depende de processo complexo e pode ser mais vantajosa para o país vizinho

A unificação monetária entre Argentina e Brasil, proposta pelo presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes, em visita ao país vizinho, passaria por um trâmite muito complexo e não traria tantos benefícios ao Brasil. A moeda levaria o nome de “peso real”.

Segundo Victor Candido, economista-chefe da corretora Guide Investimentos, quem mais ganharia com essa medida seria a Argentina, porque para o Brasil “o custo-beneficio só tem custo”, avalia.

“O sistema financeiro do Brasil é um dos mais bem estruturados do mundo. O brasileiro acredita no seu sistema. Já o argentino, não”, analisa Otto Nogami, professor de economia do Insper, que enxerga uma mudança muito complexa para poucos pontos positivos. Na prática, os dois países teriam que interligar o movimento de capital, para que, por exemplo, um argentino pudesse abrir uma conta bancária ou investir na bolsa no Brasil e vice-versa.

Seria necessário também equilibrar uma série de fatores, como taxa de flutuação de câmbio, inflação e dívida pública, para que as duas nações não fossem prejudicadas. Os dois países também precisariam fundir o Banco Central, a taxa de reserva cambial (reserva em dólar) e ainda negociariam uma mesma taxa de importação. Todo esse processo, para Nogami, demandaria custo, planejamento, força política e muito tempo. “Cerca de doze anos”, segundo ele.

Para a Argentina, no entanto, “seria uma solução, porque daria segurança financeira maior para o país”, afirma Nogami. Já Candido, da Guide Investimentos, ao analisar o tamanho do desafio, diz que os dois países precisariam se estruturar economicamente, com o Brasil resolvendo seu problema fiscal e a Argentina estabilizando sua economia, “o que eles já tentam há vinte anos”. O economista enxerga a medida como um gesto de apoio a Macri, e não como uma proposta séria. “Se quer fazer essa aproximação, seria melhor racionalizar tarifas de importação e se aprofundar em acordos bilaterais”, afirma.

Além de todas essas questões, uma união monetária precisaria ser aprovada pelos Legislativos de ambos os países. Nogami, cita, por exemplo, a dificuldade que o governo Bolsonaro vem tendo para aprovar a reforma da Previdência, que, na visão do economista, é um assunto menos polêmico do que a criação de uma nova moeda.

O professor, no entanto, admite que a unificação das duas moedas poderia ter pontos positivos, citando a economia com custos de importação. Quando os países fazem negociações comerciais, normalmente em dólar, é preciso comprar um determinado valor dessa moeda antes, o que gera custo e deixa a moeda exposta a variações cambiais que podem trazer prejuízo (mudança do valor do dólar entre a compra da moeda e seu uso).

Mercosul

Em sua fala, Bolsonaro disse ainda que, no futuro, a ideia é ampliar essa unificação para todo o Mercosul, incluindo, por isso, Uruguai e Paraguai. Para Nogami, as duas economias são muito pequenas o que tornaria ainda mais complicado o processo de estabilização dos indicadores econômicos desses países, visando uma moeda comum.

Ele cita o exemplo de Portugal e Espanha, que, apesar de serem países desenvolvidos, são economias pequenas e muito diferentes perto de França e Alemanha e por isso geram um problema grande para toda a zona do euro. Além disso, unificar a taxa de importação deve ser uma ideia pouco aceita em países como Paraguai, que se beneficia justamente da isenção dessa taxa. Com os preços subindo, a inflação aumentaria, criando outro problema para a nação, analisa o professor.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pedro Coutinho

    Por quê vocês não dão sossego pro atual governo? Vão pescar e quem sabe na hora que vocês voltarem não encontrarão um país melhor?

    Curtir

  2. Rogerio Sottili

    Parei em “O sistema financeiro do Brasil é um dos mais bem estruturados do mundo”

    Curtir