Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Percepção sobre Europa se deteriorou, diz ata do Copom

Por Da Redação 28 jul 2011, 10h36

Por Adriana Fernandes e Fabio Graner

Brasília – O Banco Central (BC) deu mais peso às incertezas do cenário externo na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada hoje. No trecho que trata do ambiente internacional, as avaliações ficaram mais pessimistas. Segundo o BC, a percepção do mercado sobre a situação fiscal na zona do euro e, em particular, suas implicações sobre o sistema financeiro regional – mesmo após a divulgação dos testes de estresse realizados em bancos da região – apresentaram “deterioração relevante”.

Para o BC, as perspectivas macroeconômicas para a zona do euro continuam apresentando fortes assimetrias: enquanto algumas economias permanecem impactadas por riscos de insolvência e sujeitas a fortes ajustes fiscais, o ritmo da expansão continua sustentado em outras regiões, como na Alemanha.

Na avaliação do Copom, permanecem ainda incertezas em relação a questões da dívida norte-americana. “No que se refere à política monetária, as economias maduras continuaram com posturas acomodatícias. Sobre inflação, apesar da aceleração recente, os núcleos persistem em níveis moderados no grupo de países do G-3 (EUA, zona do euro e Japão)”, diz a ata.

O documento destaca ainda que nos países emergentes observam-se pressões inflacionárias disseminadas e, desde a última reunião do Copom, houve continuidade dos apertos das condições monetárias em diversas economias. Em particular, destaca o Copom, o Banco Central chinês (PBOC) elevou novamente as taxas de referência para depósitos e empréstimos.

Para o BC brasileiro, a recuperação da economia global segue em velocidade distinta e com pressões inflacionárias assimétricas. “As evidências apontam moderação da atividade na margem, em parte refletindo o aumento da incerteza global, a perda de dinamismo da recuperação norte-americana, o elevado preço do petróleo, bem como os efeitos do aperto monetário em importantes economias emergentes”, afirma o Copom.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês