Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pearson vende 50% das ações do grupo que publica a ‘The Economist’

Medida acontece após a venda do Financial Times a grupo japonês e reforça estratégia da editora britânica em concentrar esforços na área educacional

A editora britânica Pearson concordou em vender sua participação de 50% no Economist Group, que publica a revista Economist, para os acionistas já existentes da empresa por 469 milhões de libras (730,62 milhões de dólares) em dinheiro. A medida reforça a estratégia da Pearson em concentrar investimentos na área educacional. Recentemente, a editora vendeu o FT Group, que inclui o jornal Financial Times, para o grupo japonês Nikkei por 1,3 bilhão de dólares.

A participação foi vendida para a Exor, holding da família italiana Agnelli, e ao próprio grupo The Economist. A Pearson informou que a Exor concordou em comprar 27,8% das ações ordinárias do Economist Group e todas as ações preferenciais B da Pearson por 287 milhões de libras. As demais ações ordinárias serão recompradas pelo próprio Economist Group, por 182 milhões de libras.

A Exor é comandada por John Elkann, herdeiro da família Agnelli. Elkann possui menos de 5% do Economist Group e, entre outros interesses comerciais, controla a Fiat Chrysler Automobiles. A decisão reflete o interesse pessoal de Elkann na mídia e sua intenção de diversificar os ativos da Exor. Elkann faz também parte do conselho da News Corp, dona do Wall Street Journal.

Leia mais:

Pearson vende Financial Times para Nikkei por US$ 1,32 bi

Banco do Brasil lucra R$ 3 bilhões no 2º trimestre

Em comunicado, a Exor comprometeu-se a respeitar a independência da Economist. As regras do grupo serão alteradas, para limitar os poderes de voto de qualquer acionista individual para apenas 20% e para garantir que nenhum indivíduo ou companhia possa deter mais de 50% das ações do grupo. Outros acionistas do Economist Group incluem as famílias Cadbury e Rothschild, bem como funcionários atuais e ex-funcionários.

A Pearson disse que espera fechar o acordo no quarto trimestre e pretende usar o dinheiro obtido para investir em sua estratégia de educação global.

(Com Estadão Conteúdo)