Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Paulo Skaf: ‘a política contaminou a economia brasileira’

Segundo o empresário e presidente da Fiesp, o governo erra ao justificar a deterioração fiscal com as desonerações à indústria

Por Ana Clara Costa 7 dez 2013, 14h30

Virtual candidato ao governo do estado de São Paulo pelo PMDB (com 19% das intenções de voto, segundo o Datafolha), Paulo Skaf se prepara para vivenciar um ano atribulado. Um dos principais interlocutores do setor industrial, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) terá de abandonar as articulações em favor da indústria para se dedicar à corrida eleitoral que tem Geraldo Alckmin, do PSDB, como favorito, com 43% das intenções. Skaf estará em campanha num ano em que as previsões para a economia – e, consequentemente, para a indústria – não são as mais animadoras. A própria Fiesp prevê crescimento tímido para o Produto Interno Bruto (PIB), de 2,2%. Para a indústria de transformação, que exclui os segmentos de mineração e construção civil, as estimativas são da ordem de 2,3%. Em entrevista ao site de VEJA, Skaf afirmou que a situação econômica não é das mais animadoras – mas tampouco é desesperadora. O que o deixa relativamente à vontade para abandonar, por ora, os pleitos do setor para se dedicar à campanha. “Em 2013 houve uma contaminação da política na economia que criou uma impressão pior do que a realidade. Uma impressão de caos que não é tão ruim quanto parece, e nem tão boa quanto o governo prega que é”. Confira trechos da conversa.

Leia também:

Produção industrial sobe 0,6% em outubro, informa IBGE

Inovação perde fôlego na indústria brasileira

Economia brasileira recua 0,5% no terceiro trimestre

A economia brasileira passa por um período controverso. Apesar de os indicadores não mostrarem uma situação terrível, o sentimento do investidor é de pessimismo. Por que isso ocorre?

Em 2013 houve uma contaminação da política na economia que criou uma impressão pior do que a realidade. Uma impressão de caos que não é tão ruim quanto parece, e nem tão boa quanto o governo prega que é. Isso fez com que a confiança dos estrangeiros caísse. Então, apesar do desempenho econômico mediano, houve uma piora no sentimento.

Devido à questão fiscal?

A questão fiscal é uma questão de confiança. E quando há desconfiança, ela se espalha pelo lado fiscal, no combate à inflação, na insegurança jurídica.

Mas, no caso da questão fiscal, há um fato: as agências de classificação de risco ameaçaram rebaixar o Brasil.

O que influencia, neste caso, é o superávit. O país tem que aumentar o superávit. E, para isso, ou se aumenta os impostos ou corta-se os gastos. Não há espaço para subir impostos. A sociedade já está cansada de pagar. Ela quer ver aumento de eficiência do serviço público. Já o corte de gastos em ano eleitoral é difícil de acreditar. É ano de gastos, não economia. Por isso a desconfiança continua e leva a uma percepção ruim.

O governo percebeu que errou na questão fiscal?

O governo sabe tudo. Eles não foram pegos de surpresa. Não é que eles façam as coisas por desconhecimento. Eles fazem sabendo da realidade. O que ocorre agora é que eles estão justificando o problema fiscal com as desonerações que fizeram, e isso é injusto. Eles reduzem temporariamente um imposto que é alto demais (no caso do IPI), como se estivessem fazendo um favor. Ora, a carga tributária no Brasil é absurda! As reduções deveriam se eternizar. Mas não é assim. Sempre quando chega o final do ano, é a hora de renovar a redução da alíquota. E fica parecendo que o governo está fazendo alguma bondade, quando, na verdade, não deveria haver um imposto tão alto. Agora, com a situação fiscal da forma que está, eles sabem que não há espaço para subir imposto, nem disposição para cortar despesas. Aí vem aquela ameaça de que as reduções serão revertidas.

Continua após a publicidade

O governo culpa as desonerações em folha pela queda da arrecadação. E a indústria foi a maior beneficiada.

O crescimento da arrecadação sempre foi superior ao crescimento do PIB. O problema é que, se a arrecadação cresce, a despesa também cresce. Mas o governo vai falar que o problema é gastança dele? Não vai. As desonerações em folha geraram perda líquida de 15 bilhões de reais. O governo arrecada mais de 1 trilhão. Realmente são esses 15 bilhões que estouram as contas? Eu não acredito.

Leia também:

Arrecadação federal soma R$ 101 bi em outubro, recorde para o mês

Governo deixa de arrecadar R$ 64,3 bi com desonerações em 2013

O governo está mais aberto ao setor privado?

Eu, particularmente, não posso reclamar. Nunca tive dificuldade de contato com a presidente. Mas sinto que ela mudou, sim, em relação aos empresários e aos partidos. Hoje ela discute com lideranças de partidos. O problema é que isso ainda não se traduziu em recuperação da confiança do empresariado, sobretudo no exterior. A imagem do Brasil foi abalada e isso ainda não está resolvido. Internamente é mais fácil, pois o empresário está mais acostumado com as mudanças. Mas quem está distante leva mais tempo para perceber.

A indústria foi a maior beneficiada pelas medidas protecionistas dos últimos anos. Valeu a pena?

Na verdade, quando ouço falar que o Brasil é protecionista, dá para rir. Até pouco tempo, o Brasil tinha o dólar a 1,60 real e a indústria concorria com produtos de países que tinham moeda subvalorizada, como a China. Nossa moeda estava 30% sobrevalorizada e a deles, 30% subvalorizada. Além disso, nossas medidas de defesa comercial são lentíssimas. Um processo de antidumping demora dois anos para avançar. E muitas vezes uma decisão só é tomada depois que os estragos foram feitos. Protecionista é a Argentina. Ela cria barreiras para valer. Veja só o que faz com o Brasil, que é seu maior parceiro comercial.

O Brasil subiu em 30 pontos porcentuais o imposto de importação de veículos em 2011. Isso é protecionismo.

Eu entendo que essa foi uma medida passageira, temporária, até que se desenvolvesse um programa mais amplo. Não se pode dizer que foi uma boa decisão porque encareceu produtos que o Brasil nem mesmo oferecia. Mas foi por pouco tempo. Na realidade, precisamos encontrar no Brasil a competitividade, e não pensar que a salvação vai estar na proteção. Esse pode ser um caminho temporário, mas não é a solução.

A presidente Dilma fez algum comentário sobre a sua possível candidatura ao governo?

Não. Eu nunca conversei com ela sobre a minha pré-candidatura. Até porque, sinceramente, com muito respeito à presidente, eu sou do PMDB e ela do PT. Então minha pré-candidatura tem a ver apenas com o meu partido. O PMDB decidiu por unanimidade ter um candidato a governador. E, hoje, também é unânimeque o único nome para disputar é o meu.

Continua após a publicidade

Publicidade