Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Passaredo irá entrar com ação no Cade contra a Azul por assédio a pilotos

Aérea acusa concorrente de procurar 80% do seu quadro técnico para desestabilizar novas operações; Passaredo começará a voar de Congonhas no próximo mês

Por da Redação - Atualizado em 27 ago 2019, 13h40 - Publicado em 27 ago 2019, 11h23

A companhia aérea Passaredo informou nesta terça-feira, 27, que irá entrar com uma ação contra a Azul Linhas Aéreas no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) por assédio a pilotos e copilotos de seu quadro de funcionários. Em comunicado à imprensa, a Passaredo afirmou que o departamento de recursos humanos da Azul “tem entrado em contato sistematicamente” com seus profissionais “visando prejudicar a empresa no momento em que está estruturando novas operações”. 

Na semana passada, a Passaredo anunciou a compra da MAP, aérea que voa nos estados de Amazonas e Pará. Com a aquisição da empresa, a companhia passa a operar em 28 destinos além de ter 26 slots, como são chamadas autorizações de pouso e decolagem, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Os voos na capital paulista devem começar em outubro e irão focar rotas para outras cidades do estado e do interior do Brasil. Um nicho de mercado em que a Azul atua.

A previsão da Passeredo é chegar a 37 destinos até o fim deste ano. Entre os novos previstos estão Araçatuba, Bauru e Marília, no Estado de São Paulo, Uberaba (MG), Ipatinga (MG), Dourados (MS) e Ponta Grossa (PR).

A reclamação da Passaredo perante o Cade e à Justiça se baseia na prática de concorrência desleal, nos termos do art. 195 da Lei de Propriedade Intelectual, ou como infração à ordem econômica, nos termos do art. 36 da Lei 12.529. Basicamente, o assédio aos pilotos, se exitoso, impedirá a Passaredo de competir de maneira agressiva, e isso desequilibra o mercado.” A empresa afirma que mais de 80% dos pilotos da empresa foram contatados por representantes da Azul na última semana. 

Publicidade

“Existem centenas de excelentes pilotos com experiência em jatos no mercado, inclusive oriundos da operação da Avianca. A Passaredo recebeu esses currículos recentemente durante a seleção de pilotos que vem realizando. Se a Azul tivesse interesse exclusivo em contratar mão de obra, seria natural aproveitar esses profissionais já experientes no equipamento a jato. Contudo, o que a Azul quer é aliciar a mão de obra da Passaredo para prejudicar a estruturação das operações em Congonhas”, diz Eduardo Busch, CEO da Passaredo.

Para o executivo, a ação da concorrente é uma consequência do processo de distribuição de slots da Avianca em Congonhas, processo que também contou com a participação da Azul. “Durante a distribuição dos slots de Congonhas, foi pública e notória a pressão política e institucional que a Azul fez perante a Anac e o Decea. Forçaram uma barra enorme tentando impedir o acesso da Passaredo e da MAP ao aeroporto, até o último momento. Agora, uma vez que não tiveram sucesso na pressão política, querem prejudicar a Passaredo tentando sabotar as operações da empresa”, complementou o executivo.

Outro lado

Questionada sobre a acusação da Passaredo, a Azul negou estar assediando funcionários de outras empresas. “O recrutamento de novas pessoas é feito com os recursos disponíveis no mercado brasileiro e, em alguns casos, os candidatos atuam em outras companhias do setor, como é comum em qualquer indústria.”

Ainda em comunicado, a Azul afirma que este ano deve contratar “2.000 novos tripulantes, incluir trinta aviões na frota e ampliar em cerca de 20% sua oferta de assentos”. “A Azul informa que tem posições abertas para pilotos e convida candidatos que tenham interesse na companhia a enviarem seus currículos ao RH”, diz a nota.

Publicidade