Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Parlamento grego aprova medidas previstas em acordo com credores

Milhares de pessoas protestaram no centro de Atenas contra o plano de austeridade aprovado em troca do pacote de resgate de 86 bilhões de euros

Por Da Redação
15 jul 2015, 20h04

O Parlamento grego aprovou na noite desta quarta-feira o pacote de austeridade previsto no acordo selado com o Eurogrupo no último domingo. A votação ficou em 229 parlamentares a favor e 64 contra o ajuste, entre eles muitos partidários do primeiro-ministro, Alexis Tsipras. A ratificação do acordo pelo Parlamento e pelas nações que integram a zona do euro é essencial para que o governo grego receba novos aportes do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos países do Eurogrupo.

Enquanto isso, milhares de pessoas protestam no centro de Atenas contra as medidas de austeridade previstas no acordo. As propostas foram acertadas entre o governo grego liderado por Tsipras e os líderes dos países da zona do euro como condição para o país receber um novo socorro financeiro que pode chegar a 86 bilhões de euros. O plano de austeridade, avaliado em 9 bilhões de euros, prevê aumento de impostos, reforma previdenciária, cortes de gastos e privatização de entidades estatais.

LEIA TAMBÉM:

Conheça os detalhes do novo acordo de resgate da Grécia

Continua após a publicidade

Grécia não paga 456 mi de euros e dá outro calote no FMI

A manifestação organizada pela confederação dos sindicatos do setor público Adedy, que também convocou uma greve geral, chegou a reunir cerca de 2.500 pessoas na praça Syntagma, em frente ao Parlamento grego, de acordo com informações da polícia. Alguns manifestantes mais exaltados – de ideologia anarquista, segundo a polícia -, chegaram a jogar coquetéis molotov contra a polícia, que revidou com bombas de gás lacrimogêneo.

O partido de Tsipras, o Syriza, rachou na votação desta quarta – e o premiê, que se viu obrigado a aceitar a cartilha de austeridade que tanto rejeitava, perdeu apoio popular e dentro do próprio partido. Ministros de seu governo votaram contra o pacote de austeridade. Ao longo do dia, temia-se, inclusive, a queda de Tsipras. “As opções específicas que tinha a minha frente eram: um, aceitar um acordo com o qual estou em desacordo; a segunda, a falência desordenada, e tínhamos uma terceira opção, o ‘grexit’ (saída da Grécia do euro) pactuado por Schäuble”, disse Tsipras no Parlamento.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.