Clique e assine a partir de 8,90/mês

Parlamento alemão deve aprovar extensão de ajuda à Grécia nesta sexta

Partidos conservadores da coalizão governista alemã devem oficializar apoio à extensão por quatro meses do programa de ajuda financeira à Grécia

Por Da Redação - 26 fev 2015, 17h53

Os partidos conservadores da coalizão governista da Alemanha devem apoiar a extensão por quatro meses do programa de ajuda da Grécia durante votação na câmara baixa do Parlamento nesta sexta-feira, afirmou o líder parlamentar do grupo, Volker Kauder. A decisão foi comunicada após reunião da União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão) e da União Social-Cristã (CSU). Ambos os partidos controlam 311 assentos no Bundestag, como é conhecido o Parlamento alemão.

O Partido Social-Democrata (SPD), que faz parte do grupo governista da chanceler Angela Merkel, também indicou que vai apoiar a extensão do pacote de resgate da Grécia, de 240 bilhões de euros (273 bilhões de dólares) até o fim de junho.

Leia mais:

Grécia tem até hoje para mostrar que está alinhada com credores

Grécia e ministros europeus chegam, enfim, a um acordo sobre dívida

Grécia pede ajuda financeira por mais seis meses

Segundo um representante da indústria bancária grega, os depósitos em bancos da Grécia subiram cerca de 850 milhões de euros (cerca de 910 milhões de dólares) desde que o país conseguiu garantir a extensão de seu programa de ajuda com credores europeus, na terça-feira. No médio prazo, no entanto, a situação é incerta. Segundo a edição desta quinta-feira do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, o governo da Grécia vai precisar de empréstimos adicionais de 20 bilhões de euros em julho.

O presidente do Banco da Grécia, Yanis Stournaras, considerou que o país tem pela frente problemas “relativamente pouco numerosos” em comparação aos que enfrentou nos últimos anos. “Se conseguirmos solucionar os problemas relativamente pouco numerosos que nos restam para completar a primeira fase do esforço iniciado em 2010, poderemos passar para a fase seguinte e a um crescimento rápido”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo e agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade