Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Para o Centrão, não interessa derrubar Guedes, mas enfraquecê-lo

Congressistas almejam a divisão da pasta do ministro e a mudança de perfil por parte do chefe da Economia, visto como um empecilho para o aumento de gastos

Por Victor Irajá Atualizado em 9 out 2021, 19h10 - Publicado em 9 out 2021, 15h53

O escritor português José Saramago (1922-2010) era um mestre em definir os principais ímpetos humanos. “De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos”, escreveu o lusitano. Não bastasse a situação econômica, as novas — mesmo que legais e declaradas — revelações em torno dos investimentos do ministro da Economia, Paulo Guedes, deram armas para a contestação por parte da classe política. Membros do Centrão veem a oportunidade perfeita para minguar a imagem de Guedes, com a revelação de que o ministro mantém uma offshore nas Ilhas Virgens Britânicas. Segundo parlamentares, a intenção não envolve, expressamente, derrubar o ministro, mas enfraquecê-lo e torná-lo mais, diga-se, flexível às demandas da classe política.

Se, em outro momento, os movimentos pela recriação do Ministério do Trabalho deram certo, parlamentares estão ávidos pela volta da pasta do Planejamento — com indicação, claro, de alguém que atenda às vontades de deputados e senadores. A recriação de uma pasta “carimbadora de projetos” é um dos desejos mais inerentes de políticos, que veem em Guedes um muro para seus anseios. Para parlamentares, não adianta derrubar o ministro sem ter quem botar no lugar. Por um simples motivo: membros do governo e do Congresso Nacional não vislumbram um substituto à altura do ministro, que passe a confiança ao mercado de que o presidente Jair Bolsonaro manterá que sejam resquícios de uma agenda liberal na gestão da Economia.

Segundo deputados e senadores, os depoimentos de Guedes à Câmara e ao Senado prometem ser marcados por cobranças ao ministro — que, reitere-se, não leva desaforo para casa. Em abril de 2019, em um sessão na Câmara dos Deputados sobre a reforma da Previdência, o ministro reagiu às provocações do deputado Zeca Dirceu (PT-SP), que chamou Guedes de “tchutchuca de banqueiros”, e a sessão foi encerrada. Membros do Centrão admitem que a personalidade do ministro dificulta a aprovação de projetos enviados pela pasta da Economia. Não bastassem a pressão pública por resultados, a necessidade da aprovação de reformas e os índices inflacionários e de recuperação da economia, tudo o que o ministro não precisava era de mais um motivo para ser achacado pelos parlamentares. Saramago tem razão.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)