Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Para IBGE, produção industrial não mostra avanço sólido

Segundo técnico do instituto, a desaceleração permanece e regiões apontam comportamento 'errático'

Por Da Redação 8 nov 2013, 15h27

Apesar do crescimento de 0,7% no mês de setembro em relação a agosto, a produção industrial ainda não mostra um avanço consistente, avaliou o técnico da coordenação de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Fernando Abritta Figueiredo. Segundo ele, grande parte das regiões pesquisadas apresenta o mesmo comportamento errático observado no indicador geral. “Os resultados não têm sequência, nem positivos nem negativos”, observou Figueiredo.

Nos estados que conseguiram expandir a produção na passagem do mês, “o aumento foi sustentado pelos setores de bens de capital (principalmente caminhões e máquinas agrícolas), de consumo de bens duráveis e de refino e produção de petróleo e álcool”, disse Figueiredo. O maior avanço se deu na Bahia, com alta de 6,8%, anulando boa parte da queda de 8,6% observada em agosto ante julho, por causa de apagões registrados na região Nordeste.

Leia ainda: Produção industrial avança em 6 de 14 locais do país, aponta IBGE

São Paulo, contudo, amargou retração de 2,1% em setembro contra agosto, após alta de 3,8% em agosto ante setembro e queda de 4,8% em julho contra junho. Com isso, o resultado do terceiro trimestre veio negativo, em 2,6%, na comparação com o trimestre imediatamente anterior. “Há perda de dinamismo em setores como farmacêutico, produção de veículos, refino de petróleo, alimentos e bebidas e equipamentos eletrônicos”, disse Figueiredo.

Em Pernambuco, a queda de 8,2% na produção, além de ser a mais intensa entre as regiões em setembro, foi o pior resultado para o estado desde novembro de 2004, quando houve uma queda de 10,2%, ressaltou Figueiredo. “O recuo foi motivado pela menor produção de açúcar e refrigerantes, que impactou a indústria de alimentos e bebidas”, afirmou. Segundo ele, fábricas de refrigerantes fizeram paradas para a manutenção dos equipamentos – por isso a queda na produção.

Leia também:

Indústria avança 0,7% em setembro, aponta IBGE

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade