Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para Fenabrave, restrição ao crédito limitou vendas

Por Flavio Leonel

São Paulo – O aumento na restrição ao crédito para o financiamento de veículos, em função da elevação atual da inadimplência no País, foi o grande responsável pela queda das vendas do setor em abril. A avaliação é do presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti. Para ele, os efeitos da inadimplência sobre o crédito podem ter atingido o ápice no mês passado. Segundo ele, a tendência para os próximos meses é de um cenário melhor.

“Houve uma nova classe média que surgiu e que passou a ter novas condições de consumo. O que, talvez, tenha acontecido é que, nos anos de 2009 e 2010, os critérios de crédito estavam um pouco mais frouxos e essa nova classe não estava acostumada a consumir neste nível”, comentou Meneghetti, lembrando o alto custo que um indivíduo tem para manter um carro, além de grande número de parcelas de financiamento. “Esta nova classe média está agora aprendendo a conviver com isso e, pelas expectativas que temos por meio de dados da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), este problema tende a diminuir”, afirmou.

Nesta quinta-feira, a Fenabrave divulgou que as vendas de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus) apresentaram recuo de 14,20% em abril ante o mês anterior e um declínio de 10,82% na comparação com abril de 2011. Com o resultado, os emplacamentos dos primeiros quatro meses de 2012 diminuíram 3,42% ante o mesmo período do ano passado.

“A inadimplência está no pico”, destacou Meneghetti. “Mas a tendência é diminuir, até porque a massa salarial continua crescendo, os juros internos estão caindo e isso tudo faz com que os orçamentos das famílias fiquem um pouco mais folgados.”

A Fenabrave informou também que revisou para baixo, de 4,5% para 3,5%, a projeção de crescimento para as vendas de automóveis e comerciais leves em 2012. Segundo estimativas da consultoria MB Associados para a entidade, o total de veículos vendidos neste ano deverá somar 3.545.584 unidades. Entre janeiro e abril deste ano, o recuo na comercialização deste segmento foi de 3,14% ante o mesmo período do ano passado, para 1.017.506 unidades.

Para Meneghetti, a tendência é que o segundo semestre de 2012 seja melhor para o segmento de veículos do que o primeiro. É justamente esse sentimento, amparado numa projeção de crescimento de 3% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que faz a Fenabrave acreditar que as vendas de automóveis e comerciais leves ainda vão crescer 3,5% no ano.