Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Para executivo da PwC, mercado ainda vai precificar balanço da Petrobras

Robert Moritz diz que balanços não auditados requerem explicações mais detalhadas dos gestores

Por Ana Clara Costa, de Davos 21 jan 2015, 06h49

A Petrobras anunciou que divulgará no próximo dia 27 seu balanço referente ao terceiro trimestre do ano passado. Porém, o documento não contará com o aval de uma auditoria externa. A PriceWaterhouseCoopers (PwC), que revisa e chancela os resultados financeiros da estatal, vem se negando a aprovar os números enquanto não houver a certeza de que eles não estão inflados pelos preços dos contratos superfaturados assinados pela estatal ao longo dos últimos anos. O problema é que tal constatação só poderá ser alcançada depois da conclusão da Operação Lava Jato, que apura os desvios. Ou seja, pode levar meses – ou até anos. Segundo o presidente da PwC nos Estados Unidos, Robert Moritz, a publicação de um balanço não auditado deve mexer com o ânimo dos investidores. “Em casos como esse, deve haver um desconto por parte dos acionistas. Se há um grau de incerteza sobre uma determinada empresa ou sua gestão, o desconto tende a vir mais forte”, afirma. O preço da ação da estatal já atingiu o patamar mínimo em dez anos conforme se aprofundam as investigações da Lava Jato e as incertezas sobre a empresa.

Leia também:

Punição contra Petrobras será mais dura nos EUA

É hora de comprar ações da Petrobras?

A farra dos contratos sem licitação na Petrobras

Moritz, que se esquivou de comentar especificamente sobre a Petrobras pelo fato de se tratar de um cliente, disse que, no caso da situação de revisão de balanços (restatement, em inglês), que é o que ocorre com a estatal, o ideal seria que houvesse um acordo entre a empresa e os auditores. “Um acordo é uma boa alternativa porque, em muitos casos, empresas usam números do passado que estão diferentes agora. Essa é a razão de muitos dos casos de revisão de balanço hoje em dia”, afirma.

Continua após a publicidade

O executivo afirma que a única forma de dar credibilidade a balanços não auditados é por meio dos próprios gestores, que podem fazer notas em anexo ao relatório financeiro redobrando as explicações sobre porque acham que aquelas informações estão corretas. “Caberá aos gestores demonstrarem confiança aos investidores, mesmo que os números não estejam auditados”, diz Moritz.

A divulgação do balanço na próxima semana é uma condição estabelecida pelo mercado para que os credores da estatal não cobrem antecipadamente uma série de títulos emitidos pela empresa. O prazo final previsto nos contratos de tais títulos expira no dia 30 de janeiro. Antes da divulgação, os números serão apreciados pelo Conselho, em reunião extraordinária no Rio. O balanço consolidado, após avaliação de auditoria, ainda não tem previsão de divulgação.

E mais:

Dilma desiste de participar do Fórum Econômico Mundial

Iniciativa privada é ‘quem toca a banda’ no Brasil, diz Levy

Pesquisa – A PwC também apresentou durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, uma pesquisa sobre a confiança dos lideres empresariais na recuperação econômica. O resultado não é muito animador. Só 37% de 1300 presidentes questionados pela PwC acreditam que 2015 será melhor para a economia. No ano passado, 44% haviam respondido crer na melhora do cenário em 2014. Ainda segundo a PwC, o sentimento na América Latina é ainda mais pessimista que na Ásia, nos Estados Unidos e na Europa.

No caso específico do Brasil, entre os principais motores da queda da confiança são as intervenções do governo nos preços da energia e as interações do país com Argentina e Venezuela, países que têm se mostrado completamente avessos à liberdade de preços. Segundo a pesquisa da PwC, apenas 30% dos executivos brasileiros estão otimistas com as perspectivas para ganhos futuros. No ano passado, eram 42%, enquanto em 2013, os mais otimistas representavam 44% do empresariado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)