Clique e assine com até 92% de desconto

Para Casa Branca rivais devem se unir para melhorar a economia

Por Jim Watson 6 ago 2011, 14h06

A Casa Branca reagiu neste sábado à histórica redução da nota da dívida dos Estados Unidos e pediu aos rivais políticos no Congresso que se unam para melhorar a economia americana e assegurar o futuro fiscal do país.

“Devemos melhorar, para deixar clara a vontade de nossa nação, a capacidade e o compromisso para trabalhar juntos e enfrentar os grandes desafios fiscais e econômicos”, disse o porta-voz presidencial Jay Carney.

A agência Standard & Poor’s rebaixou de “AAA” para “AA+” a nota americana, usando como argumentos a crescente dívida, o pesado déficit orçamentário e carências no planejamento de políticas.

A S&P acrescentou uma “perspectiva negativa” à nota classificação e advertiu que estuda a possibilidade de baixar a qualificação para “AA” em dois anos, caso o governo não reduza os gastos como prometeu, ou se elevar as taxas de juros e até no caso de novas pressões fiscais que agravariam o panorama financeiro do país.

“O presidente acredita que é importante que nossos líderes eleitos se coordenem para fortalecer nossa economia e colocar nossa nação sobre bases fiscais mais sólidas”, declarou Carney.

“O compromisso bipartidário para a redução do déficit foi um importante passo na direção correta, mas o caminho para chegar a ele demorou muito tempo e em alguns momentos foi muito conflituoso”, acrescentou.

O presidente Barack Obama e os republicanos chegaram a um acordo para aumentar o teto da dívida em troca de cortes orçamentários de 2,1 trilhões de dólares, mas os críticos argumentam que a medida é insuficiente para enfrentar o enorme déficit fiscal que condiciona a recuperação econômica do país.

“Nas próximas semanas, o presidente pedirá firmemente ao comitê fiscal bipartidário, assim como a todos os membros do Congresso, que coloquem o compromisso comum para obter uma forte recuperação e uma correta estratégia fiscal a longo prazo acima das diferenças políticas e ideológicas”, concluiu Carney.

Continua após a publicidade
Publicidade