Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Para atacar guerra cambial,Mantega promete novas ações

Por Da Redação 1 mar 2012, 13h43

Por Tiago Pariz e Luciana Otoni

BRASÍLIA, 1º Mar (Reuters) – No mesmo dia em que anunciou mais taxação para empréstimos no exterior, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o governo continuará tomando novas medidas para impedir a valorização excessiva do real frente ao dólar. Ele, no entanto, não deu mais detalhes.

“O governo não ficará assistindo impassível a guerra cambial, temos que nos defender”, afirmou Mantega em entrevista coletiva. “O governo continuará tomando medidas para impedir que o real se valorize, prejudicando a produção brasileira”, emendou.

O ministro enfatizou que o foco é conter a entrada de investidores que preferem atuar na especulação de curto prazo. “Aqueles que trabalham assim têm que ser penalizados e pagarão alguma coisa”, disse.

A edição desta quinta-feira do Diário Oficial trouxe decreto presidencial que aumenta de dois para até três anos o prazo de incidência de alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6 por cento para empréstimos de empresas no exterior.

A medida visa reduzir o ingresso de dólar no país, cuja cotação em relação ao real chegou a ficar abaixo de 1,70 real nesta semana. Em abril do ano passado, o governo já havia elevado de um para dois anos o prazo da incidência do IOF a 6 por cento.

“Quem quiser pegar dinheiro no curto prazo que é para especular, para fazer aplicação financeira, vai pagar o IOF”, afirmou Mantega.

A medida, no entanto, não chegou a afetar o mercado cambial, nem mesmo o Banco Central ter anunciado um leilão de compra de dólares no mercado à vista.

Às 13h34 (horário de Brasília), o dólar tinha desvalorização de 0,45 por cento, a 1,7122 real.

Ao ser questionado sobre isso, o ministro afirmou que a eficácia das medidas já adotadas pelo governo no câmbio “tem sido notada ao longo do tempo.”

O governo teme a forte entrada de dólares no país, tendência que deve permanecer. Na quarta-feira, por exemplo, o Banco Central Europeu (BCE) injetou 530 bilhões de euros nas instituições financeiras que estão atravessando turbulência por conta da crise na zona da moeda única. A expectativa é de que parte desses recursos vá para mercados emergentes, como o Brasil, que têm bons rendimentos.

O Brasil, por exemplo, possui uma das taxas básica de juros mais elevadas ao ano, hoje em 10,50 por cento ao ano.

Continua após a publicidade

Mantega sustentou que o país torna-se atrativo porque bancos, sobretudo europeus, veem fortes riscos para aplicar em países ou instituições da zona do euro com alavancagem e exposição elevada à países frágeis, como Portugal, Itália e Grécia.

Ele lembrou que importantes economias têm feito políticas monetárias expansionistas, como os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão, o que acaba elevando a liquidez no mundo.

“E sobra crédito e somos atingidos por isso”, afirmou ele.

IED DE FORA

Mantega afirmou ainda que o governo não cogita taxar o Investimento Estrangeiro Direto (IED). O ministro negou que haja distorções nas aplicações nesse tipo de investimento, que poderia estar sendo desviado do lado produtivo para o setor financeiro.

Ele disse ainda que não pretende tomar ações para desestimular a aplicação de estrangeiros na bolsa de valores. O ministro considera que o mercado de capitais nacional é uma boa maneira de financiamento barato das empresas.

Mesmo com as negativas do ministro, o governo ainda tem na mesa diversas possibilidades para novas ações no câmbio, inclusive a de retomar a taxação do IOF sobre aplicação de estrangeiros na bolsa de valores, como informou uma fonte da equipe econômica. Hoje essa alíquota é zero

PATAMAR IDEAL?

O ministro da Fazenda evitou afirmar qual o patamar ideal para a cotação do dólar, afirmando apenas que entre 1,50 e 1,60 real é ruim para a indústria nacional, uma vez que encarece a exportações, criando uma guerra desleal.

“O patamar de 1,80 (real) é melhor que 1,50. Mas não estamos buscando nem 1,80, nem 1,70, gostamos da modalidade de câmbio flutuante”, afirmou.

O ministro reafirmou que o Fundo Soberano do Brasil pode ser usado para fazer intervenções também, mas que, por enquanto, essa tarefa é do Banco Central. “Se necessário for, podemos colocar o Fundo Soberano para comprar dólar. Por enquanto, a atuação do BC é suficiente”, afirmou.

O ministro disse que emissões externas em real são interessantes, mas evitou dizer se o país está programando alguma captação em moeda local. Limitou-se a dizer que ocorrerá “ao longo do tempo.”

Continua após a publicidade
Publicidade