Clique e assine a partir de 9,90/mês

Para acalmar mercado, Eike diz que não venderá ações da OGX

Empresário afirmou que venda de ações da OGX são "ajuste de porfólio"

Por Da Redação - 13 jun 2013, 19h15

O empresário Eike Batista, controlador do grupo EBX, afirmou que não tem intenção de vender em bolsa mais ações da sua petrolífera OGX. Após se desfazer de papéis da companhia no fim de maio, o empresário causou uma onda de desconfiança de investidores sobre a empresa e as ações despencaram. No pregão desta quinta-feira, chegaram a ser cotadas a menos de 1 real.

Em comunicado enviado ao mercado, Eike disse que as vendas de ações da OGX realizadas por ele recentemente “representam um ajuste mínimo pontual no portfólio do Grupo EBX e estavam relacionadas com o alongamento de vencimentos e redução do custo da sua dívida com credores. Não há qualquer intenção de realizar vendas adicionais, em bolsa, de valores mobiliários de emissão da OGX. Não obstante, o Grupo EBX continuará a perseguir a implementação de parcerias estratégicas”, acrescentou, na nota.

Leia também:

Apesar de Eike, Bovespa sobe puxada por Vale e Petrobras

Continua após a publicidade

Eike Batista coloca hotel Glória à venda, diz jornal

Valor das empresas de Eike cai 58% na Bolsa em 2013

Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na segunda-feira, Eike vendeu 70,47 milhões de papéis, por quase 122 milhões de reais, ou 1,73 real por ação, em 24, 27, 28 e 29 de maio. Com as operações, ele reduziu sua fatia na OGX para 58,92% do capital, de 61,09%.

Analistas do JPMorgan avaliaram o evento como negativo, “com a venda refletindo uma possível necessidade de caixa pelo acionista controlador”. A venda de ações adicionou mais pessimismo à OGX, que há meses enfrenta desconfiança do mercado por entregar produção abaixo das estimativas e crescentes preocupações sobre sua situação do caixa.

Continua após a publicidade

A EBX também informou ter concluído a reestruturação de sua dívida de curto prazo e que a direção administrativa da holding foi reduzida e reestruturada, o que também está sendo gradualmente feito nas demais companhias controladas por Eike.

(Com Reuters)

Publicidade