Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PANORAMA3-Referendo na Grécia mina humor dos mercados

SÃO PAULO, 1o de novembro (Reuters) – A proposta grega de um referendo sobre um plano de ajuda ao país alvejou as principais praças financeiras globais nesta terça-feira, que também foram afetadas por fracos números sobre o setor manufatureiro mundial.

Bolsas de valores, moedas de maior rendimento e commodities sofreram com ondas de vendas, diante de preocupações com a recuperação econômica global, pioradas pelo receio de que a Grécia declare default e deflagre uma crise que contamine todo o sistema financeiro.

A consulta popular na Grécia é para discutir a aprovação de um plano de ajuda acertado na semana passada por líderes europeus e intensificou as dúvidas de investidores quanto a uma resolução para a crise de dívida da zona do euro como um todo.

Houve reação também dentro da Grécia, com parlamentares da própria base governista defendendo eleições antecipadas. Mas o premiê grego, George Papandreou, endossou no final da tarde que manterá a ideia do referendo.

A crise na zona do euro afetou a Grã-Bretanha, que não faz parte do bloco. A produção industrial britânica teve em outubro a maior queda mensal em mais de dois anos, reforçando sinais de que a Europa está à beira da recessão.

Também houve números mais fracos sobre a atividade manufatureira na China. No Brasil, a produção no setor caiu 2 por cento em setembro, maior baixa desde abril.

O dado foi o mais recente a sugerir acomodação da atividade doméstica e reforça apostas de que o Banco Central (BC) seguirá cortando a taxa básica de juros para sustentar a economia, o que favoreceu a queda nos DIs negociados na BM&FBovespa.

As taxas também recuaram devido ao quadro de aversão a risco no exterior, que provocou nova alta do dólar ante o real e derrubou a Bovespa.

O mercado brasileiro ficará fechado na quarta-feira, devido ao feriado de Finados, mas reabrirá na quinta, dia em que os investidores deverão repercutir a leitura de outubro Índice de Commodities Brasil (IC-Br) do BC. Os dados mais atualizados de fluxo cambial também serão reportados pela autoridade monetária.

Da pauta internacional, a quinta-feira reserva a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). Antes, na quarta-feira, o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) também anuncia o resultado de sua reunião de política monetária, para a qual a expectativa é de que os juros sejam mantidos entre zero e 0,25 por cento ao ano, mínima histórica.

Veja o fechamento dos principais mercados nesta terça-feira:

CÂMBIO

O dólar terminou a 1,7375 real, em alta de 2,05 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA O Ibovespa caiu 1,74 por cento, para 57.322 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 6,83 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS O índice dos principais ADRs brasileiros recuou 2,77 por cento, a 30.418 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

No call das 16h, o DI janeiro de 2013 apontava 10,270 por cento ao ano, ante 10,290 por cento no ajuste anterior.

EURO

Às 19h07, a moeda comum europeia era cotada a 1,3695 dólar, ante 1,3856 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia a 132,250 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,094 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

O risco Brasil subia 10 pontos, para 231 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 15 pontos, a 367 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones caiu 2,48 por cento, a 11.657 pontos; o S&P 500 teve queda de 2,79 por cento, a 1.218 pontos, e o Nasdaq retrocedeu 2,89 por cento, a 2.606 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo fechou em baixa de 1 dólar, ou 1,07 por cento, a 92,19 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 1,9907 por cento ante 2,116 por cento no fechamento anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código )

(Por José de Castro; Edição de Patrícia Duarte)