PANORAMA3-Bolsas caem antes de cúpula europeia na quarta-feira

Por Da Redação - 25 out 2011, 17h20

SÃO PAULO, 25 de outubro (Reuters) – As incertezas relacionadas à crise de dívida na zona do euro voltaram a pressionar os mercados financeiros nesta terça-feira, depois que o adiamento de um encontro entre ministros de Finanças do bloco, que ocorreria na quarta-feira, intensificou as dúvidas sobre uma solução para os problemas da região.

Uma outra reunião, entre os líderes da zona do euro e também prevista para quarta-feira, está mantida, mas autoridades do bloco disseram à Reuters que não serão oferecidos muitos números para o desenvolvimento de respostas à crise.

Falando a jornalistas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse acreditar que países europeus não precisam de recursos do Brasil para comprar bônus e que o governo espera a União Europeia (UE) apresenta soluções para a crise da região na reunião de quarta-feira.

As bolsas de valores em Nova York fecharam com perdas superiores a 1 por cento, arrastando o Ibovespa, que só não caiu mais por conta da alta nas ações da blue chip Petrobras , na cola da valorização dos preços do petróleo.

Publicidade

A maior aversão a risco puxou o dólar para cima ante o real, após duas quedas seguidas. Números divulgados pelo Banco Central (BC) mostraram uma melhora no fluxo de dólares ao país na semana passada, com entradas líquidas de 464 milhões de dólares no período. Em outubro até dia 21, o superávit cambial soma 3,867 bilhões de dólares.

As projeções de juros ficaram perto da estabilidade, num dia vazio de dados macroeconômicos e com o mercado à espera da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), prevista para quinta-feira.

Da pauta doméstica, o BC informou que o déficit em transações correntes em setembro ficou em 2,2 bilhões de dólares, abaixo do esperado pelo mercado e também inferior ao déficit registrado há um ano.

O Investimento Estrangeiro Direto (IED) no país somou 6,326 bilhões de dólares no mês passado, contra 5,404 bilhões de dólares em setembro de 2010.

Publicidade

O BC projeta que o déficit em transações correntes ficará em 4,8 bilhões de dólares em outubro. A autoridade estima ainda que o IED somará 4 bilhões de dólares neste mês, sendo que, até o dia 21, já estava em 3,4 bilhões de dólares.

A série de divulgações do BC continua na quarta-feira, quando será levada a público a nota de crédito e inadimplência referente a setembro.

Nos Estados Unidos, o mercado conhecerá o desempenho das vendas de bens duráveis e de casas novas, ambas de setembro. Na Alemanha, será conhecido o índice de preços de importados do mês passado.

Veja o fechamento dos principais mercados nesta terça-feira:

Publicidade

CÂMBIO

O dólar terminou a 1,7623 real na venda, em alta de 0,45 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA O Ibovespa caiu 1,07 por cento, para 56.285 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,66 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS O índice dos principais ADRs brasileiros recuou 2,54 por cento, a 29.622 pontos.

Publicidade

JUROS <0#2DIJ:>

No call das 16h, o DI janeiro de 2013 apontava 10,420 por cento ao ano, ante 10,410 por cento no ajuste anterior.

EURO

Às 18h15, a moeda comum europeia era cotada a 1,3904 dólar, ante 1,3925 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

Publicidade

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia a 131,188 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,372 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

O risco Brasil subia 5 pontos, para 231 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 5 pontos, a 366 pontos-básicos.

Publicidade

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,74 por cento, a 11.706 pontos; o S&P 500 teve baixa de 2,00 por cento, a 1.229 pontos, e o Nasdaq retrocedeu 2,26 por cento, a 2.638 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo subiu 1,90 dólar, ou 2,08 por cento, a 93,17 dólares por barril.

Publicidade

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, avançava, oferecendo rendimento de 2,1142 por cento ante 2,234 por cento no fechamento anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código )

(Por José de Castro; Edição de Patrícia Duarte)

Publicidade