Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

PANORAMA1-Setor manufatureiro na China e Europa mina mercados

Por Da Redação 22 mar 2012, 08h28

SÃO PAULO, 22 Mar (Reuters) – A quinta-feira no Brasil começava sob um viés negativo dos mercados financeiros globais, afetados pelo enfraquecimento da atividade manufatureira na China e na zona do euro em março.

A preliminar do índice dos gerentes de compras (PMI) da China calculado pelo HSBC caiu para 48,1, registrando o quinto mês seguido de contração do setor, ante 49,6 na divulgação final de fevereiro. O índice de novas encomendas recuou para 46,2, mínima desde novembro de 2011. [ID;nL1E8EM1I0]

Na zona do euro, o índice Markit sobre a atividade manufatureira ficou em 47,7, abaixo dos 49,0 apurados em fevereiro e dos 49,5 esperados por analistas.

Às 7h25, o índice europeu de ações FTSEurofirst 300recuava 1,11 por cento e o futuro do norte-americano S&P 500perdia 0,57 por cento -7,90 pontos. O MSCI para ações globais cedia 0,29 por cento e para emergentes , 0,38 por cento. O MSCI de ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão verificava decréscimo de 0,18 por cento.

Em Tóquio, o Nikkei ainda fechou em alta de 0,40 por cento. Dados do Ministério das Finanças do país mostraram o primeiro superávit comercial em cinco meses em fevereiro, quando o saldo comercial foi de 32,9 bilhões de ienes (393 milhões de dólares). A previsão era de déficit de 120 bilhões de ienes.

O índice da bolsa de Xangai terminou com declínio de 0,10 por cento.

Entre as moedas, o euro era cotado a 1,3167 dólar, em baixa de 0,34 por cento, o que colaborava com a alta de 0,19 por cento do índice DXY, que mede o valor do dólar ante uma cesta com as principais divisas globais. Em relação ao iene , o dólar cedia 0,55 por cento, a 82,94 ienes.

No caso das commodities, o petróleo do tipo Brentcaía 0,78 por cento em Londres, a 123,23 dólares, enquanto o barril negociado nas operações eletrônicas em Nova Yorkrecuava 1,2 por cento, a 105,98 dólares.

A atenção ao noticiário externo, contudo, não deve tirar do radar divulgações domésticas como o IPCA-15 e a taxa de desemprego apurada pelo IBGE. Também vale monitorar reunião da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, com empresários em Brasília.

Na cena corporativa brasileira, Cesp, Magazine Luiza, LLX e Saraiva apresentam resultados trimestrais após o fechamento das operações locais.

Veja a agenda com os principais indicadores desta quinta-feira

Veja como ficaram os principais mercados financeiros nesta quarta-feira:

CÂMBIO

O dólar fechou a 1,8205 real, em alta de 0,12 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA

O Ibovespa caiu 0,65 por cento, para 66.860 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,31 bilhões de reais.

Continua após a publicidade

ADRs BRASILEIROS

O índice dos principais ADRs brasileiros caiu 0,09 por cento, a 33.825 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

No call das 16h, o DI janeiro de 2014 estava em 9,640 por cento ao ano, ante 9,700 por cento no ajuste anterior.

EURO

Às 19h10, a moeda comum europeia era cotada a 1,3211 dólar, ante 1,3209 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 132,188 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 1,272 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS

O risco Brasil operava estável para 166 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 4 pontos, a 303 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,35 por cento, a 13.124 pontos, o S&P 500 registrou desvalorização de 0,19 por cento, a 1.402 pontos, e o Nasdaq teve variação positiva de 0,04 por cento, aos 3.075 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo mais curto subiu 1,20 dólar, ou 1,13 por cento, a 107,27 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 2,2960 por cento, frente a 2,3628 por cento no fechamento anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código )(Por Paula Laier; Edicão de Hélio Barboza)

Continua após a publicidade

Publicidade