Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PANORAMA1-Anúncio de referendo na Grécia amplia aversão a risco

Por Da Redação 1 nov 2011, 06h52

SÃO PAULO, 1o de novembro (Reuters) – A aversão a risco dominava as praças financeiras mundiais nesta terça-feira. A decisão do primeiro-ministro grego, George Papandreou, de realizar um referendo sobre o último acordo com autoridades europeias para nova ajuda a Atenas não repercutiu bem e acrescentava nova dose de incertezas.

O anúncio, inclusive resultou em queixas na Alemanha de que Atenas está tentando se esquivar do acordo. “Isso me soa como alguém que está tentando se esquivar do que foi acordado – uma coisa estranha a fazer”, disse Rainer Bruederle, líder parlamentar dos Democratas Livres, partido da coalização de centro direita da chanceler Angela Merkel.

O viés negativo ainda encontrava respaldo em um dado oficial mostrando desaceleração ligeiramente acima do esperado no setor manufatureiro chinês em outubro, para o menor ritmo desde fevereiro de 2009. O índice dos gerentes de compras (PMI) da China apurado pela Federação de Logística e Compras da China (CFLP) sobre a atividade caiu para 50,4 em outubro, ante 51,2 em setembro. Projeções apontavam 51,6.

A leitura final de outubro do PMI para o setor manufatureiro apurado pelo HSBC para a China, por sua vez, ficou em 51, acima de 50 pela primeira vez desde junho e dos 49 de setembro, mas ligeiramente inferior os 51,1 verificados na leitura preliminar para o mês. O componente de preços passou de 59,5 para 53,2.

Às 7h20, o índice MSCI para ações globais perdia 1,57 por cento e para emergentes, 1,83 por cento. O MSCI da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão < .MIAPJ0000PUS> caía 2,41 por cento. Em Tóquio, o Nikkei fechou em baixa de 1,70 por cento. O índice da bolsa de Xangai terminou com variação positiva de 0,07 por cento. Na Europa, o índice FTSEurofirst 300 declinava 2,30 por cento. O futuro do norte-americano S&P 500 registrava decréscimo de 1,39 por cento — 17,40 pontos.

Entre as moedas, o euro era cotado em baixa de 0,97 por cento, a 1,3726 dólar, o que influenciava a alta de 1,27 por cento do índice DXY, que mede o valor do dólar ante uma cesta com as principais divisas globais. Ante a moeda japonesa , o dólar oscilava ao redor da estabilidade, a 78,11 ienes.

Nesse contexto, o petróleo do tipo de Brent caía 1,50 por cento, a 107,92 dólares, em Londres, enquanto o barril negociado nas operações eletrônicas em Nova York perdia 1,82 por cento, a 91,49 dólares. O cobre transacionado na City londrina cedia 2,44 por cento.

No Brasil, a divulgação do desempenho da produção industrial é destaque na agenda, com previsão de queda nessa atividade. Para a equipe do BNP Paribas, olhando mais à frente, as condições fracas da produção global provavelmente irão manter a indústria local lenta nos próximos meses. Os dados fechados da balança comercial de outubro também merecem atenção nesta sessão, véspera de feriado nacional.

Da cena corporativa, a safra de balanços contempla os resultados de Itaú Unibanco, Porto Seguro < PSSA3.SA> e Cielo nesta sessão.

A Cielo informou que fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de 457,6 milhões, uma queda de 6,3 por cento em relação ao mesmo período de 2010. De julho a setembro, o lucro operacional da companhia de meios de pagamento eletrônicos, medido pelo Ebitda, somou 586,5 milhões de reais, uma queda de 10,4 por cento, na comparação anual. [ID: nN1E7A0014]

O Itaú Unibanco , por sua vez, anunciou que fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de 3,8 bilhões de reais, o que equivale a um avanço de 25,5 por cento em relação ao obtido em igual etapa de 2010.

Veja a agenda com os principais indicadores desta terça-feira

Veja a seguir o fechamento dos principais índices do mercado financeiro.

CÂMBIO

O dólar subiu 1,08 frente ao fechamento anterior, a 1,7026 real para venda.

BOVESPAO Ibovespa desceu 1,97 por cento, para 58.338 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 6,03 bilhões de reais.

Continua após a publicidade

ADRs BRASILEIROSO índice dos principais ADRs brasileiros recuou 3,32 por cento, a 31.285 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

O DI janeiro de 2013 apontava 10,270 por cento ao ano, ante 10,340 por cento no ajuste anterior.

EURO

A moeda comum europeia foi cotada a 1,3856 dólar, ante 1,4146 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, descia a 132,000 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,157 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

O risco Brasil subia 15 pontos, para 227 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 15 pontos, a 351 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones teve baixa de 2,26 por cento, a 11.955 pontos; o S&P 500 registrou variação negativa de 2,47 por cento, a 1.253 pontos, e o Nasdaq teve baixa de 1,93 por cento, a 2.684 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo fechou em queda de 0,13 dólar, ou 0,14 por cento, a 93,13 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 2,1124 por cento ante 2,324 por cento no fechamento anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código )

(Por Paula Arend Laier)

Continua após a publicidade
Publicidade