Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Pacheco diz que compromisso com contas públicas ‘não deve ser só de Lula’

Presidente do Senado defendeu envolvimento de todos os Poderes para garantir o ajuste fiscal

Por Da Redação Atualizado em 14 jun 2024, 11h22 - Publicado em 13 jun 2024, 20h32

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou na noite desta quinta-feira, 13, em coletiva de imprensa no Congresso, que a busca pelo equilíbrio fiscal “não deve ser só do presidente Lula”.

“Essa discussão sobre o estado brasileiro, mais do que nunca, precisa acontecer no Brasil com o compromisso e com a colaboração de todos os Poderes, todas as instituições”, disse. “É um compromisso não só do governo federal, não deve ser só do presidente Lula. Esse problema não é só dele, é do Brasil. E como um problema do Brasil, nós do Legislativo temos que colaborar.”

Pacheco comentou a discussão sobre a compensação da desoneração da folha de pagamento — os líderes do Senado se reuniram nesta quinta para tratar do assunto, após a devolução da medida provisória que limitaria o uso de créditos do PIS/Cofins.

Segundo o presidente do Senado, ainda não há definição sobre quais serão as medidas propostas, mas são discutidos seis projetos “que podem trazer arrecadação sem aumento de imposto”. As medidas serão discutidas e levadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando ele voltar ao Brasil da viagem à Europa.

“Nós temos que trabalhar e nos dedicar a projetos de lei que sejam modernizadores, que desburocratizem, que façam o Brasil avançar e se desenvolver, que tenham arrecadação sustentável e inteligente, sem aumento constante de carga tributária, porque o contribuinte não dá conta”, disse Pacheco.

Propostas do Senado

As propostas devem ser reunidas em um projeto de lei a ser apresentado pelo senador Efraim Filho (União-PB) e que terá como relator o senador Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo no Senado.

Continua após a publicidade

Líder do União Brasil na Casa, Efraim foi o autor do projeto original que garantiu a prorrogação da desoneração até 2027, aprovado no ano passado. Entre as propostas que estão em análise, segundo Efraim, está um tipo de Refis para multas impostas por agências reguladoras e programas de atualização de ativos financeiros no Imposto de Renda.

Além disso, o senador citou outros projetos que já estão em análise no Congresso ou que foram aprovados recentemente. Entre eles, está o PL 4.728/2020, que cria o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). De autoria de Pacheco, o texto está em análise na Câmara dos Deputados.

Outra proposta mencionada que renderá arrecadação e pode ser usada para compensar a desoneração é o PL 914/2024, que trata do incentivo a veículos menos poluentes e determina a chamada “taxação das blusinhas”, válida para produtos importados até US$ 50.

“São ideias postas à mesa. Não quer dizer necessariamente que é o que vai estar presente no relatório do senador Jaques Wagner. Caberá a ele fazer essas escolhas”, ponderou Efraim.

Segundo ele, uma conta inicial estima que, somadas, as alternativas do pacote estudado poderiam até ultrapassar o valor necessário para a compensação. O senador afirmou ainda que, como o benefício da desoneração tem um prazo para acabar, a compensação não precisa vir necessariamente de receitas correntes líquidas, mas, também, vir de receitas extraordinárias.

Continua após a publicidade

“O compromisso que saiu da reunião de líderes é que as medidas compensatórias não virão com sacrifício do setor produtivo, não significarão aumento de alíquotas nem aumento de carga tributária, mas receitas novas”, disse.

O governo estima que a continuidade da política de desoneração da folha custará R$ 26,3 bilhões no exercício de 2024. De acordo com Efraim, entretanto, o valor deve ser menor. Com a MP que teve trechos cancelados nesta semana, o governo federal previa aumentar a arrecadação em R$ 29 bilhões em 2024.

“Há um levantamento, um estudo sendo feito que, na visão do Senado Federal, o valor a ser compensado é abaixo dos R$ 29 bi previstos na medida provisória. Estimamos em cerca de R$ 16 a R$ 17 bi o valor a ser compensado”, afirmou Efraim.

(Com Agência Senado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.