Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Otimista, Levy diz que recuperação é uma ‘questão de meses’

Em Madri, ministro da Fazenda também afirmou que o Brasil está preparado para enfrentar volatilidade no mercado financeiro com um possível aumento dos juros dos EUA

Por Da Redação 7 set 2015, 10h27

Com tom otimista, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta segunda-feira, em Madri, que a economia brasileira deve sair da recessão em breve. “A recuperação é uma questão de meses, exatamente porque o governo tem tido a força de tomar as medidas necessárias a curto prazo”, disse o ministro, que participou de um seminário na capital espanhola.

A declaração contrasta com as últimas estimativas do mercado, que já projeta dois anos de PIB negativo – em 2015, de 2,26%, e em 2016, de 0,4%, segundo o último boletim Focus. Na semana passada, o próprio governo reconheceu que não conseguirá fechar as contas no próximo ano, ao encaminhar para o Congresso um orçamento com déficit de 30,5 bilhões de reais.

Leia mais:

Economia brasileira ainda não atingiu fundo do poço, avalia mercado

PIB do Brasil fica em 33º lugar em ranking de 35 países

Continua após a publicidade

O ministro também afirmou que o país está preparado para lidar com um eventual aumento na taxa de juros dos Estados Unidos, que pode ser decidido em reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) neste mês. A especulação sobre a alta da taxa, que não é reajustada desde 2006, tem sido um dos fatores responsáveis pela forte valorização do dólar neste ano. Isso porque, com os indicativos de melhora da economia americana, os investidores tendem a tirar o dinheiro de países emergentes, como o Brasil, para colocar nos Estados Unidos, considerado mais seguro.

Levy, no entanto, disse que os bancos brasileiros foram bem capitalizados e têm grandes reservas cambiais. “Isso nos assegura que, mesmo se começar uma volatilidade após o início de ajustes na taxa de juro dos EUA – e haverá volatilidade, porque hoje o mercado está menos fluido e não fazemos o trabalho que costumávamos fazer para absorver os choques. No Brasil, estamos bem preparados para enfrentar esse primeiro período de volatilidade”, disse o ministro.

Leia também:

Com dólar nas alturas, brasileiros trocam exterior por destinos nacionais

Dólar sobe 2,68% e termina a R$ 3,86, maior valor desde outubro de 2002

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)