Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Opep reduz projeção de demanda de petróleo para 2012

A previsão de crescimento para 2013 foi mantida, mas a organização alertou para a possibilidade de queda no próximo ano

Por Da Redação 10 out 2012, 14h35

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) divulgou nesta quarta-feira um relatório que reduz a previsão de crescimento da demanda por petróleo deste ano e alerta sobre uma possível desaceleração em 2013.

Em seu documento mensal, a Opep previu que a expansão da demanda mundial vai perder ritmo para 800 mil barris por dia (bpd) em 2012, 100 mil bpd a menos que projeções anteriores.

A demanda total por petróleo é estimada em 881.81 milhões de bpd este ano. O relatório apresentado nesta segunda-feira mostra uma perspectiva oposta à apresentada em agosto pela organização, que previsa aumento de demanda em 2012.

A previsão de crescimento para 2013 foi mantida, em 800 mil bpd, mas a Opep alertou que “incertezas consideráveis” podem reduzir o número em até 20%.

O crescimento econômico deverá ocorrer principalmente nos mercados emergentes, mas estes países dependem de exportações para economias desenvolvidas, que têm apresentando fraco desempenho este ano, comentou a organização. Além disso, melhorias na economia global dependem do sucesso de ações implementadas por governos e bancos centrais, disse a Opep no relatório.

“Os riscos para a previsão de 2013 são basicamente para baixo, devido à turbulência na economia mundial”, afirmou a entidade.

Leia também:

FMI reduz previsões de crescimento mundial, afetado pela zona do euro

Continua após a publicidade

Produção – Segundo dados de fontes secundárias, a produção dos países da Opep caiu quase 265 mil bpd em setembro ante agosto devido a quedas na contribuição de Angola e Nigéria, mas se manteve acima de 31 milhões de bpd.

Na Arábia Saudita, a produção subiu para 9,85 milhões de bpd em setembro, de 9,81 milhões de bpd em agosto, de acordo com as mesmas fontes, enquanto no Irã o volume ficou estável no mês passado, em 2,72 milhões de bpd, após vários meses de declínios.

Leia também:

Tensão entre Síria e Turquia faz petróleo avançar 4,05%

Longa vida aos combustíveis fósseis

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade