Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

ONU pede que governo reverta portaria sobre trabalho escravo

Especialistas da instituição divulgaram manifestação solicitando ao Brasil que tome ações urgentes para evitar enfraquecimento ao combate à escravidão

Por Da redação Atualizado em 9 nov 2017, 09h20 - Publicado em 9 nov 2017, 09h19

Especialistas da Organização das Nacões Unidas (ONU) pediram na quarta-feira que o governo brasileiro tome medidas urgentes contra o enfraquecimento do combate ao trabalho escravo no país. Dentre elas, sugerem a revogação da portaria do Ministério do Trabalho que tornou mais restritas as definições de escravidão.

A manifestação ocorreu por meio da publicação de um documento assinado pela conselheira especial sobre trabalho escravo da ONU, Urmila Bhoola, e pelo grupo de trabalho sobre direitos humanos e corporações transnacionais e outras empresas comerciais da organização.

No documento, os especialistas dizem que o Brasil exerce, frequentemente, o papel de liderança no trabalho escravo, mas medidas recentes, como a portaria do Ministério do Trabalho, tem gerado preocupação e desapontamento. “É essencial que o Brasil tome ações decisivas agora para evitar o enfraquecimento das medidas anti-escravidão que foram implementadas na última década e, por sua vez, o enfraquecimento da proteção dos pobres e populações excluídas que são vulneráveis à escravidão”, disse Urmila .

“Nós também estamos preocupados com outros acontecimentos, incluindo cortes no orçamento da fiscalização trabalhista, que tem um papel chave na detecção de vítimas e na erradicação do trabalho escravo”, disse Surya Deva, presidente do grupo de trabalho.

A portaria do Ministério do Trabalho, atualmente suspensa por liminar do STF, recebeu críticas por alterar a classificação do que é considerado trabalho escravo, além de modificar a forma de inclusão de empresas na “lista suja” sobre o tema. Especialistas dizem que, na prática, a medida dificulta a punição ao crime de escravidão. O presidente Michel Temer admitiu que pode fazer alterações no texto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês