Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

ONS reduz estimativas de chuva e eleva previsão de consumo de energia

No Sudeste e no Centro Oeste, o nível das represas brasileiras já é o mais baixo desde o ano do racionamento, em 2001

Por Da Redação
17 out 2014, 16h57

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) reduziu a estimativa de chuvas que deverão chegar aos reservatórios das hidrelétricas do país em outubro, com todas as regiões sofrendo afluências bem abaixo da média, com exceção do Sul.

A baixa pluviosidade desde o ano passado mantém as represas do país em níveis baixos históricos. No Sudeste e no Centro Oeste o nível já é o mais baixo entre as represas brasileiras desde o ano do racionamento, em 2001.

Segundo o Informe do Programa Mensal de Operação (PMO) do ONS divulgado nesta sexta-feira, as chuvas previstas em outubro para o Sudeste/Centro-Oeste, que concentra os principais reservatórios de hidrelétricas do país, deverão ser de 67% da média histórica para o período. Assim, o nível dos reservatórios dessa região deverá cair dos atuais 22,09% para cerca de 19% ao final do mês.

Leia também:

Com outubro seco, déficit do Cantareira sobe 16% no mês

Justiça libera captação da 2ª cota do volume morto do Cantareira

A redução do nível dos reservatórios do Sudeste ocorre quase que ininterruptamente desde junho de 2013, sendo que o período úmido 2013/2014 não conseguiu recuperar as represas. O próximo período tradicionalmente chuvoso, de novembro a março, será crucial para evitar problemas de suprimento de energia em 2015, dizem especialistas do setor.

No Norte, as chuvas que chegarão às hidrelétricas serão equivalentes a 67% da média, e no Nordeste, a 38%. Somente o Sul continuará com chuvas acima da média, a 147%.

Continua após a publicidade

Energia – O ONS ainda elevou nesta sexta-feira a estimativa de aumento de consumo de carga de energia no país em outubro para alta de 2,4% ante mesmo mês de 2013. Na semana passada, o ONS estimava alta de 1,3% no consumo neste mês. Altas temperaturas elevam o uso de equipamentos de refrigeração e, como consequência, o consumo de energia.

A piora das perspectivas levou ao aumento do Custo Mensal de Operação (CMO) do sistema elétrico para uma média de 852,7 reais por megawatt-hora (MWh), em todas as regiões, indicando elevação do preço de energia de curto prazo (PLD) para a próxima semana.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) deverá divulgar os valores do PLD para a semana de 18 a 24 de outubro ainda nesta sexta-feira.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.