Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Oferta no setor aéreo brasileiro cai 5,62% em novembro

Associação das empresas aéreas fala em ano difícil; taxa de ocupação aumentou de 73,73% em outubro para 76,28% no mês seguinte

Por Da Redação 17 dez 2012, 13h27

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) divulgou nesta segunda-feira dados do mercado de aviação brasileiro mostrando que a oferta caiu 5,62% em novembro ante outubro, enquanto a demanda no período caiu 2,35%. Com isso, a taxa de ocupação passou de 73,73% em outubro para 76,28% no mês seguinte.

A Avianca foi a empresa aérea que apresentou maior taxa de ocupação dos assentos, com 82,75%, seguida por Azul, com 82,44%; TAM, com 80,6%; Trip, 71,97%; e Gol, 70,54%.

A TAM manteve a liderança em participação de mercado em novembro, com 43,36%. Em segundo, veio a Gol, com 35,63%, seguida pela Azul, com 9,97%, a Avianca, com 6,43%, e a Trip, com 4,61%.

Leia também:

Com menos assentos disponíveis, passagem barata está mais difícil

Continua após a publicidade

Gol reduz a oferta, mas não a eficiência, diz CEO

Passagem aérea dispara 13,62%, aponta Fipe

Dificuldades do setor – De acordo com nota divulgada pela Abear por meio de sua assessoria de imprensa, 2012 foi considerado um ano difícil devido ao comprometimento da rentabilidade das empresas com o aumento do preço do combustível, a alta do dólar, taxas e tarifas de navegação aérea, infraestrutura e o ritmo desacelerado da economia global.

Ainda na nota, a associação destacou que embora TAM e Gol tenham anunciado redução de oferta, conforme demonstrado em matéria publicada pelo site de VEJA, Avianca e a Azul têm mantido tendência de crescimento. “Tivemos até um aumento em rotas e destinos, mas não foi suficiente. O negócio de transporte aéreo é muito ligado ao desempenho da economia, e a situação da economia esse ano também é refletida na realidade das aéreas”, conta Eduardo Sanovicz.

2013 – Para o próximo ano, a Abear prevê: “Haverá uma diminuição na oferta total, mas de manutenção na demanda para que as taxas de ocupação sejam mais altas, as empresas tenham melhor rentabilidade e o preço médio das passagens também não passe por ajustes muito impactantes”, destaca a nota.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade