Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

OCDE vê recuperação na Europa e emergentes em queda

Apesar de a Europa ainda enfrentar crise, órgão acredita em recuperações. Entre os emergentes, a China deve ser a única a se destacar com alta de 7,4% do PIB

Por Da Redação
3 set 2013, 12h16

Liderado pelo firme crescimento dos Estados Unidos, o cenário está gradualmente melhorando para as economias avançadas, ao mesmo tempo em que a Europa está finalmente se juntando à recuperação, afirmou nesta terça-feira a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Entretanto, uma desaceleração em muitas economias emergentes significa que o crescimento global vai continuar lento, completou o órgão.

“O resumo é que as economias avançadas estão crescendo mais e as economias emergentes estão crescendo menos”, disse à Reuters o economista-chefe da OCDE, Pier Carlo Padoan.

Leia também:

Para Jim O’Neill, África emerge enquanto BRICs perdem brilho

OCDE aponta piora nas balanças comerciais de Brasil e China

Entre as principais economias, os EUA lideram a recuperação com crescimento neste ano de 1,7%, segundo a OCDE, reduzindo sua estimativa de maio de 1,9%. Impulsionado por fortes estímulos monetários do banco central, o Japão está a caminho de um crescimento neste ano de 1,6%, inalterado ante a projeção de maio.

Continua após a publicidade

Por sua vez, a Europa, que enfrenta uma crise de dívida, ao menos ofereceu uma boa notícia com recuperações em andamento na França e Alemanha, levando a OCDE a elevar suas estimativas para esses países.

Expectativas – A projeção agora é de crescimento na França de 0,3% neste ano, ante contração de 0,3% na estimativa da OCDE de maio. Na Alemanha, maior economia da Europa, a expectativa é de expansão de 0,7%, ante 0,4% anteriormente. Fora da zona do euro, a Grã-Bretanha deve crescer 1,5%, ante 0,8% esperado em maio.

Embora as principais economias desenvolvidas estejam se recuperando, uma desaceleração em muitos países emergentes deve pesar sobre o crescimento global, disse a OCDE.

A China foi a exceção entre as economias emergentes, com a expectativa de que o crescimento acelere ao longo do ano e alcance taxa de 7,4%.

Leia ainda:

Indústrias da zona do euro aceleram em agosto

Desemprego na zona do euro fica estável em julho, a 12,1%

Com a economia dos EUA a caminho de manter um crescimento estável, a OCDE disse que é apropriado que seu banco central comece a reduzir as compras de títulos, principal medida das políticas de afrouxamento monetário.

Para a zona do euro, a OCDE afirmou que o Banco Central Europeu (BCE) deveria manter a possibilidade de um corte da taxa de juros na mesa no caso de a recuperação na região enfraquecer.

(com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.