Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama adia reunião com líderes do Congresso

Segundo a Casa Branca, o encontro foi adiado para dar mais tempo para o Senado progredir rumo a uma solução

A reunião prevista entre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e líderes do Congresso para discutir o progresso de um acordo para reabrir o governo e elevar o teto da dívida do país foi adiada para dar mais tempo ao Senado, informou a Casa Branca nesta segunda-feira.

Obama tinha agendado um encontro com o líder da maioria no Senado, Harry Reid, o líder republicano no Senado, Mitch McConnell, o presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, e a líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi para as 15h (16h de Brasília).

“A reunião de 15h do presidente com os líderes dos dois partidos foi adiada para permitir que líderes no Senado tenham tempo para continuar a fazer progressos importantes rumo a uma solução que aumente o limite da dívida e reabra o governo”, disse a Casa Branca em um comunicado.

Leia também:

Obama e Joe Biden se reunirão com senadores para tentar resolver impasse

EUA têm até 5ª para evitar calote; FMI alerta para recessão global

Democratas e republicanos passam o domingo negociando – ainda sem acordo

Republicanos esperam acordo – Durante a manhã, o senador republicano Bob Corker afirmou que um acordo pode ser alcançado até o fim do dia. “Eu realmente acredito que as pessoas estão voltando para o assunto correto e espero que até o fim do dia nós tenhamos um acordo que faça sentido para o nosso país”, comentou em uma entrevista para o programaToday Show, da emissora NBC.

O senador reconheceu que alguns deputados da ala mais radical do seu partido, o Tea Party, exageraram ao querer repelir totalmente a reforma da saúde como condição para elevar o teto da dívida. “É uma estratégia que não gera frutos”, comentou.

Entretanto, ele também acredita que os senadores democratas exageraram ao querer elevar os gastos do governo para o ano fiscal de 2014, que começou este mês. Seria uma forma de reverter os cortes automáticos de gastos que entraram em vigor em março deste ano.

Não ficou claro, na fala de Corker, de onde viria o acordo. Mesmo que os senadores democratas consigam aprovar um projeto para elevar o teto da dívida por um prazo intermediário e reabrir o governo federal, essa proposta enfrentaria um grande obstáculo na Câmara, controlada pelos republicanos. Os deputados, por sua vez, já disseram que a responsabilidade de uma solução agora está nas mãos do Senado.

(com agência Reuters)